Entrevista feita pelo site Collider – Publicado em 10 de Abril de 2018.
Tradução por Aline – Por favor não reproduza sem os devidos créditos a este site!

Collider: Os filmes de franquia estão maiores do que nunca. Eu imagino que você provavelmente lhe foi oferecido muitos tipos de franquias e/ou papéis de super-heróis. Isso te interessa de alguma forma?

JOAQUIN PHOENIX: Eu acho que depende. Depende do personagem, do cineasta e do que eles estão procurando. Eu não recusaria nada apenas com base no gênero. Eu penso em filmes de super-heróis do jeito que imagino que Faroestes eram. Havia apenas esses quadrinhos que eram como faroestes e começaram a fazer filmes. Em algum momento, alguém apareceu e disse: “Espere um minuto, podemos realmente explorar algo aqui, sobre a humanidade e o personagem”. Acho que há esse potencial em qualquer filme. Tive reuniões e cheguei perto de algumas coisas, porque pensei: “Há algo nesse personagem que pode ser interessante”, mas no final não deu certo.

Muito foi dito sobre você fazer Doutor Estranho. E muito tem sido dito sobre você e o Coringa. A vantagem do filme de super-heróis são alguns dos poucos filmes que têm uma tela tão grande para trabalhar, em termos de orçamento e de como você pode construir um mundo. Eles são muito, muito populares, e alguns deles são incríveis.

PHOENIX: Quero dizer, quem se importa com o popular? Às vezes, ter um orçamento limitado pode ser muito bom. Algo sobre ter que trabalhar muito e se adaptar ao seu orçamento, que talvez crie algo interessante, certo?

Totalmente.

PHOENIX: Eu acho que é provavelmente… Não é esse tipo de coisa que vai acontecer? Às vezes um filme funciona, e então eles fazem uma sequência e eles têm um orçamento maior, e todo mundo relaxa um pouco, e então fica cada vez pior e pior?

Leia mais +

Relatos recentes apontam Joaquin Phoenix para interpretar o Coringa em um novo filme da DC dirigido por Todd Phillips e produzido por Martin Scorsese que aparentemente mostrará as origens do personagem e não estará conectado ao atual universo cinematográfico da DC. No entanto, enquanto a Variety relatou que o ator estava em negociações para o papel, Phoenix permaneceu cauteloso sobre se ele está ou não fazendo o filme. Em uma longa conversa para promover seu novo filme “You Were Never Really Here”, o site Fandango perguntou a Phoenix se ele iria interpretar o Coringa, e, bem, ele ainda não está falando sobre isso.

“Eu não sei… pode ser um personagem interessante, eu não sei”, disse Phoenix com um sorriso travesso no rosto. Ele não negou as notícias como fez anteriormente, mas também não confirmou se estaria no filme.

Joaquin já esteve envolvido nas negociações de Doctor Strange e Batman v Superman: Dawn of Justice.

Então será que ele tem interesse em quadrinhos e está apenas esperando pelo projeto certo? De acordo com Phoenix, ele certamente está preparado para um grande filme de super-herói, mas apenas se as condições forem exatamente corretas.

“Eu vejo isso como qualquer outro filme”, ​​disse ele. “Eu não diria … ‘Eu não faço faroestes’. Depende do que é. Eu realmente não me importo com o gênero, eu me preocupo com o personagem e o cineasta. Se você tem a capacidade de transcender o gênero, então é isso que você quer fazer. Então eu não diria, sem dúvidas, ‘não – eu não faria esse tipo de filme’. Há coisas em que flertei com a possibilidade de haver potencial para isso … algo que é realmente interessante para mim. Mas então, por qualquer motivo, eles nunca chegaram àquele lugar onde todos os outros sentem o mesmo. E isso é fundamental. Todo mundo tem que querer explorar a mesma coisa ou então não funciona. Eu não sou contra isso. Eu não tomo decisões sobre orçamento ou coisas assim – é realmente o cineasta e o personagem.”

Quando o entrevistador disse a Phoenix que ele seria um bom Coringa e que ele deveria fazê-lo, ele sorriu, esfregou as mãos e deu uma olhada como se dissesse, bem, nós veremos. Baseado em sua resposta geral, parece que isso só está acontecendo se todos estiverem na mesma página em relação a como ele vai retratar o personagem – e como ele disse, ele está mais interessado se isso significa que ele tem a chance de transcender o gênero. Com um personagem como o Coringa, isso é certamente possível, mas tudo se encaixará da maneira que o ator gostaria? Claramente isso ainda está por ser determinado.

“You Were Never Really Here” chega aos cinemas dos EUA em 6 de abril.

Fonte.

Traduzido por Aline. Por favor não reproduza sem os devidos créditos a este site!
Publicado originalmente no site interviewmagazine.com em Março de 2018.

O ator notoriamente avesso à imprensa encara os jornalistas com ceticismo e aborda entrevistas com receio – mesmo quando a pessoa que faz as perguntas é Will Ferrell.

JOAQUIN PHOENIX: Você sabia que é o Dia dos Namorados?

FERRELL: Eu sei. Eu vou a um jantar de Dia dos Namorados em grupo com minha esposa e quatro outros amigos.

PHOENIX: Isso parece horrível. Posso te fazer uma pergunta? O que é o dia dos namorados?

FERRELL: É um feriado, onde se você tem um ente querido, você expressa amor e carinho de alguma forma. Para as crianças, elas fazem pequenos cartões e as dão aos amigos, e algumas pessoas simplesmente ignoram isso.

PHOENIX: Você fez algum tipo de preparação para hoje?

FERRELL: O jantar desta noite é a coisa, mas vamos dar a todos rosas negras como um presentinho. Nós achamos que seria muito romântico.

PHOENIX: Elas são naturalmente pretas ou são tingidas?

FERRELL: Elas são feitas na China. São rosas de seda falsas. Você está em L.A.?

PHOENIX: Estou.

FERRELL: Provavelmente estamos a uma esquina um do outro.

PHOENIX: Está nublado lá fora?

FERRELL: Está. [risos] Eu tenho muitas perguntas difíceis. Eu vou para a jugular aqui. Eu vou te derrubar, ok?

PHOENIX: Isso é fácil.

FERRELL: [risos] Eu estou supondo que nós tenhamos começado. Eu estou supondo que a entrevista seja agora.

PHOENIX: Ou podemos ligar agora. Por que não? Você não odeia quando essas entrevistas se arrastam, e é tipo: “Foda-se, eu tenho coisas para fazer. Eu não tenho tempo para me sentar e ler essa besteira”.

FERRELL: Vamos apenas ligar. Isso parece tão engraçado na impressão.

PHOENIX: Eu acho que seria ótimo, mas o que eu sei?

FERRELL: Eu estava tentando lembrar se nós nos conhecemos oficialmente.

PHOENIX: Eu não sei exatamente onde estava, mas lembro que estava sentado em uma mesa e você estava em outra mesa maior do que a minha. Eu acho que você estava em uma plataforma elevada, com bom vinho sendo servido para você. Eu me virei e vi você, e acredito que apertamos as mãos.

FERRELL: Eu também lembro do anúncio da Hollywood Foreign Press onde você estava no fundo da sala. Acho que você tinha acabado de fazer uma coletiva de imprensa, e então eu fui o próximo a fazer do meu filme, e você interrompeu e disse: “Eu só quero dizer que sou fã. É tudo o que vou dizer”. Você se lembra de fazer isso?

PHOENIX: Eu não me lembro disso.

Leia mais +

Joaquin Phoenix explicou seu hiato de dois anos da atuação, dizendo que ele passou por um período em que ele nem queria ler os roteiros.

O ator, que assumiu o papel de Jesus no novo filme, “Maria Madalena”, disse que quando decidiu voltar ao trabalho não havia projetos que o interessassem, antes de terminar trabalhando em quatro filmes, incluindo a história bíblica e o novo filme de Lynne Ramsay, “You Were Never Really Here”.

Ele disse: “Eu tive muita sorte nos últimos anos, trabalhei com alguns cineastas incríveis e isso é sempre inspirador, mas eu não trabalhei por dois anos antes de trabalhar no filme de Lynne. Principalmente quando trabalho ou não trabalho porque não há projetos nos quais quero trabalhar. E há momentos em que eu apenas digo: ‘Eu não quero ler nada, e vou tirar apenas seis meses’, e foi o que aconteceu. Eu tinha tirado um ano de folga, eu sabia que não ia trabalhar por um ano, e então eu fiquei tipo ‘OK, estou pronto para trabalhar’, e então não havia nada que eu quisesse fazer por um ano. E então foi muito estranho porque foi do zero para esses quatro filmes que eu não pude dizer não. Aconteceu dessa maneira. Eu nunca fiz tanto, mas acho que trabalhar com os cineastas e os atores foi muito inspirador, então isso me alimentou.”

Phoenix disse que era importante esquecer as expectativas de outras pessoas quando ele estava assumindo o papel de Jesus em Maria Madalena.

Ele disse: “Quando você começa, muitas pessoas têm tantas expectativas diferentes, e você imagina quais são as expectativas, mas cada filme que eu faço, há um ponto em que eu apenas digo: ‘Bem, isso é meu agora, e eu tenho que encontrar uma maneira de internalizar isso e simplesmente ter essa experiência’.

“Não posso realizar as expectativas de outras pessoas. Então, eu acho que foi parte disso e descobertas que fizemos enquanto seguíamos, e às vezes você simplesmente reage ao ambiente e aos outros atores, e isso faz com que você olhe para uma cena de maneira diferente”.

O filme conta a história da crucificação e ressurreição a partir da perspectiva de Madalena, interpretada por Rooney Mara, e descarta a visão tradicional de que ela era uma prostituta.

Phoenix disse: “Para muita gente, a fé é realmente importante e eu não pude deixar de pensar em garotas jovens que são religiosas e sentiram que os dois exemplos delas na Bíblia são a virgem ou a prostituta. E mesmo que você não tenha consciência disso, subconscientemente, isso tem que afetar você e a maneira como você navega pelo mundo e navega pela sua fé. E parece uma coisa tão fodida para fazer com alguém.”

Maria Madalena está nos cinemas do Brasil agora.

Fonte.

Em conversa com a VEJA, Joaquin Phoenix comentou as dificuldades do papel de Jesus, o que I’m Still Here representou para ele, seu comportamento estranho em coletivas de imprensa e o tempo em que viveu na América do Sul com a família:

Como interpretar a dualidade entre o divino e o humano em Jesus Cristo? Acredito que todos temos acesso a esses dois lados. Todos somos carne e espírito. Também me inspirei em figuras contemporâneas que vivem de acordo com esses valores. A Irmã Helen Prejean, por exemplo, que conversa com presos no corredor da morte e os perdoa. Ou o Reverendo James Lawson, que luta pelos direitos civis e trabalhou com o Dr. Martin Luther King. Ele ainda dá workshops de não-violência em Los Angeles dos quais participo. Ele sofreu atentados e ainda assim encontrou força para não reagir com violência.

Como é esse workshop? É para encontrar maneiras de não reagir emocionalmente. Muito da nossa agressão e violência vem de coisas que apendemos. Tenho interesse em reagir de maneira diferente e encontrar um jeito de me comunicar de forma não violenta. Não estou falando nem de violência física, mas de violência verbal. Minha mãe tem uma organização de construção da paz e trabalhou em justiça restaurativa durante anos. Não é uma ideia hippie, é possível aprender técnicas. Acho que muitas vezes temos a expectativa de que os políticos resolvam tudo, o que se torna muito frustrante. Mas dá para pensar: o que posso fazer na minha própria vida? Não sou contra ser ativo politicamente, mas também há algo que cada um de nós pode fazer agora mesmo para afetar pelo menos o mundo que está à nossa volta.

Rooney Mara disse que não queria ler de novo a Bíblia, mas, como você estava lendo e os dois tiveram conversas interessantes, ela se interessou. E depois vocês foram juntos para Israel. Como essa preparação o aproximou do personagem Jesus Cristo? Claro que ler o material pode ser bom, mas não há nada como tocar a história. Quando tivemos a oportunidade, foi interessante. Fora que sou judeu e nunca havia ido a Israel. Apesar de nunca ter sido um judeu praticante, tinha curiosidade sobre a região. Foi importante andar naquela área, por aquelas ruas, e conhecer Rooney melhor nesse período (os dois estão namorando). Eu não li a Bíblia inteira. Nunca li! Mas li os Evangelhos de Mateus, Lucas, João, Marcos. E o Evangelho de Maria vale a pena. Se tiver a chance, leia, é um dos livros mais bonitos que já li. E há coisas pequenas, particularmente quando você está estudando, como aquele momento no Getsêmani em que ele pede a Deus para poupá-lo se houver outra maneira. É um momento famoso. Mas, ao ler durante a preparação para o papel, senti pela primeira vez o sacrifício que ele estava fazendo e como possuía conflitos com isso.

Leia mais +

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O filme contrapõe a visão de que uma revolução vai trazer à Terra o reino do céu e a de que o reino do céu está em cada um. Acredita em qual versão?

Na última. Muitas vezes, nas práticas religiosas ou espirituais, colocamos o esforço no lugar errado. O que vai acontecer no futuro, a ideia de ir para o céu ou encontrar iluminação. Vou me retirar por 5 anos, meditar e só depois serei iluminado. A verdade é que a cada momento de cada dia se tem a oportunidade. Ser iluminado é estar disposto a trabalhar na sua vida e tentar ser a pessoa mais amável e atenciosa possível. Não se trata de ficar zen e daí você consegue flutuar.

Como ator, você é capaz de atingir milhões de pessoas. É algo poderoso poder compartilhar esperança com o mundo. O que pensa disso?

Às vezes, quero dizer algo para as pessoas, mas outras é apenas uma jornada pessoal para mim. Eu não gosto muito dos filmes que ficam pregando sua mensagem. Normalmente, sigo minha inspiração e escolho algo que me emociona, esperando que outras pessoas também sejam afetadas. Mas não estou na posição de dizer a ninguém como viver sua vida. Não é meu papel ensinar nada. Mas tenho essas experiências, coisas que me interessam, e espero que elas inspirem outros a ver de maneira diferente algo que achavam saber ou conhecer.

Então, não tem a intenção de ser um profeta como aquele que interpreta no filme?

Pô, claro que não! (brinca, fingindo benzer).

Fonte.