O documentário “The Animal People”, que já faz 15 anos, analisa como as leis antiterrorismo foram usadas pelo governo dos EUA para atacar ativistas dos direitos dos animais.

O documentário, co-dirigido por Denis Henry Hennelly e Casey Suchan, estreou no Austin Film Festival no último fim de semana.

O filme, descrito como ‘um retrato arrepiante do que acontece quando o ativismo sacode as instituições do poder’, cobre a organização Stop Huntingdon Animal Cruelty, formada no Reino Unido nos anos 90 antes de se expandir para os EUA, onde os membros se encontravam sob investigação policial.

De acordo com a sinopse oficial do filme: “O filme segue a jornada de seis jovens americanos que se vêem como terroristas pelo governo dos EUA pelo envolvimento em uma polêmica campanha de protesto. Vendo o futuro da organização do movimento social, os ativistas usaram a Internet incipiente para ampliar drasticamente seu impacto, à medida que sistematicamente derrubavam os pilares de apoio financeiro que mantinham a empresa em atividade. Mas quando a escrita de cartas e os protestos começaram a se transformar em vandalismo noturno e pior por ativistas desconhecidos, esta corporação e o governo formaram uma aliança para destruir o grupo. O FBI iniciou uma campanha sem precedentes de vigilância em preparação para a acusação”.

Falando sobre o documentário, Phoenix disse: “Este filme é muito mais do que apenas este caso. Trata-se de questões fundamentais sobre liberdade de expressão, mudança social e poder corporativo que nunca foram tão urgentemente relevantes em nosso mundo”.

Fonte.