Joaquin Phoenix esteve ontem no evento de 20 anos do Mercy For Animals, em Los Angeles.


Confira todas as imagens deste álbum

A Mercy For Animals é uma organização internacional de proteção animal sem fins lucrativos fundada em 1999 por Milo Runkle.

Atualizei a galeria com as fotos em HQ do elenco e equipe do filme “Coringa” durante a premiere no Festival de Toronto, que aconteceu ontem!


Confira todas as imagens deste álbum

Confira também as fotos do Tribute Gala do Festival. Joaquin foi homenageado com o prêmio inaugural Tribute Actor (o discurso completo e legendado de Joaquin, você pode assistir aqui).


Confira todas as imagens deste álbum

Artigo originalTradução por Aline. Por favor, não reproduza sem os devidos créditos a este site!


Confira todas as imagens deste álbum

LOS ANGELES – Não ficou claro onde a conversa com Joaquin Phoenix saiu dos trilhos, supondo que já estivesse no caminho certo. Mas agora ele estava me batendo no caminho como um gato salta sua presa entre as patas antes de devorá-lo.

Nesse momento, não eram minhas perguntas sobre por que, em uma carreira idiossincrática no cinema, ele escolheu interpretar o Coringa, o criminoso cômico dos quadrinhos, ou como se preparou para o papel exigente e transformador, ou o que tudo isso quis dizer sobre o estado do cinema contemporâneo que o havia desencadeado – embora todos esses tópicos o provocassem de maneiras diferentes, com o tempo.

Foi minha observação perdida que ele provavelmente poderia se sustentar em papéis emocionalmente angustiados pelo tempo que quisesse, o que fez com que Phoenix recuasse em seu assento como se fosse Tony Montana, prestes a descarregar em um subalterno incompetente.

“Ah, sério?” Ele perguntou, com uma voz sarcástica, seca como uma lixa. “Bem, bom. Muito obrigado. Isso é ótimo. Eu estava preocupado.” Então ele sorriu e soltou uma risada, para me informar que ele estava brincando. Não estava?

Se você vai fazer um filme sobre um louco homicida com maquiagem de palhaço, é melhor contratar um cara que irradia ameaças de baixo nível. Embora ele tenha retratado todo mundo, de Johnny Cash a Jesus de Nazaré, Phoenix recentemente se instalou em uma série de filmes sobre solitários (“O Mestre”, “Ela”, “Vice Inerente”), assassinos (“The Sisters Brothers”) e solitários assassinos (“Você nunca esteve realmente aqui”) que o deixaram mergulhar nas profundezas da experiência humana.

Embora não seja possível dizer aonde suas viagens criativas o levarão, pareceria seguro prever que um filme de alto nível baseado em propriedade intelectual de estúdio não estaria em nenhum lugar desse itinerário.

Mas aqui está ele, estrelando “Coringa”, um estudo decadente de personagens e uma possível história de origem para esse eterno inimigo do Batman. O filme, dirigido por Todd Phillips e será lançado pela Warner Bros em 4 de outubro, não é um sucesso de bilheteria em quadrinhos tradicional, nem um material típico para seu protagonista.

De outras formas, Phoenix e seu alter ego na tela são extremamente compatíveis, se um jantar no final de agosto em um restaurante japonês em Studio City for algo a julgar.

O ator nunca desdenhou quando falou; ele levou todas as perguntas a sério e respondeu honestamente, a menos que não tivesse vontade de responder.

Durante o período de uma hora, ele percorreu o espectro de emoções, de sincero e atencioso a alegre e imparcial, e não havia como saber quais perguntas ou observações provocariam qual versão dele.

Phoenix também gosta desse potencial de perigo em seu trabalho, e ele o citou como uma das razões pelas quais ele queria fazer “Coringa”.

“Eu realmente não sabia o que era”, disse ele. “Eu não sabia como classificá-lo. Eu não disse: ‘Este é o personagem que estou interpretando’. Eu não sabia o que íamos fazer. “

“Foi aterrorizante”, continuou ele, e ele deu aquele sorriso novamente.

Phoenix tem 44 anos, cabelos com uma mistura de mechas marrons, cobre e cinza, e ele falava com uma gentileza inesperada, como Commodus, o imperador perverso que ele interpretou em “Gladiador”. (Nós sabemos como ficou para Commodus.)

Phoenix era brincalhão às vezes. Quando notei o quão ágil ele parecia em algumas de suas cenas de dança em “Coringa”, ele afastou o elogio, dizendo: “Eu me machucaria apenas fazendo uma corrida leve pela rua. Eu teria que ser mandado para casa. “

Mas um pouco dessa leveza se evaporou assim que perguntei como ele havia sido abordado sobre o filme e ele respondeu que não conseguia se lembrar. “É chato – é por isso que as entrevistas são as piores”, disse ele, desesperado, acrescentando que estava tentado a inventar uma história “apenas para parecer emocionante”.

Tampouco estava com pressa de explicar seu processo para descobrir seu personagem de “Coringa” antes do início das filmagens. “É tão estúpido falar disso”, ele resmungou. “Eu não vou falar sobre isso.” (Ele acabou falando sobre isso.)

VAMOS COLOCAR O PHOENIX de lado por um momento e retornar a Phillips, que é mais conhecido por dirigir as lucrativas comédias de “Se Beber Não Case”. Na estréia de sua alcaparra do crime em 2016, “Cães de Guerra”, Phillips se viu antecipando sua recepção morna enquanto olhava para um outdoor de um grande número de super-heróis da Marvel. Ele se perguntou como ele poderia competir.

A Warner Bros. teve sucesso apenas intermitente com seus filmes de super-heróis da DC – “Mulher Maravilha”, sim, “Esquadrão Suicida”, não – mas Phillips viu uma solução potencial para os problemas de todos. “Você não pode derrotar a Marvel – é um gigante”, disse ele. “Vamos fazer algo que eles não podem fazer.”

O que Phillips propôs ao estúdio era uma série de filmes menores e independentes que examinariam de perto os personagens da DC sem entrar em conflito com os filmes anteriores. “É apenas outra interpretação, como as pessoas interpretam Macbeth”, explicou.

Em particular, Phillips ficou fascinado com o Coringa, que foi tão memorável por Jack Nicholson (em “Batman” de Tim Burton)) e por Heath Ledger (em “O Cavaleiro das Trevas”, de Christopher Nolan).

Na opinião de Phillips, ainda havia espaço para contar uma nova história sobre esse vilão, mais próximo das narrativas urbanas que ele admirava, como “Taxi Driver”, “Death Wish” e “The King of Comedy”.

No roteiro de “Coringa”, escrito por Phillips e Scott Silver, o protagonista é Arthur Fleck, um problemático palhaço de aluguel em resumo, indiferente a Gotham City. Enquanto seus cidadãos o evitam e pisam nele, Arthur entra em um ciclo de represálias e violência, tornando-se um herói popular pelas razões erradas. “Você quer torcer por esse cara até não poder mais torcer por ele”, explicou Phillips.

Ainda assim, esse circo precisava de um palhaço, e Phoenix e Phillips reconhecem que o ator não foi convencido rapidamente sobre o projeto. “Ele não queria se fantasiar em nenhum filme de quadrinhos”, disse Phillips. “Não está necessariamente em seu plano de cinco anos – embora eu não ache que ele tenha um.” (Apesar das publicações comerciais relatarem que a equipe do Coringa estava procurando Leonardo DiCaprio, Phillips disse: “Escrevemos o filme para Joaquin.” )

Durante cerca de três meses, Phillips visitou repetidamente a casa de Phoenix, respondendo a muitas e muitas perguntas sobre o personagem e esperando conquistá-lo por pura persistência.

“Pedi que ele viesse me fazer um teste”, disse Phoenix. “Não foi uma decisão fácil, mas ele continuou dizendo: ‘Vamos ser ousados. Vamos fazer algo.'”

Como Phillips lembrou: “Fiquei esperando que ele dissesse ‘OK, estou dentro'”, e ele nunca fez isso.” No que diz respeito a Phoenix, ele disse: ” Você nunca recebe um sim. Tudo o que você recebe são mais perguntas.”

Ele e Phillips tiveram mais discordâncias frutíferas nos meses em que Phoenix passou a entrar no personagem antes das filmagens. Eles concordaram que o ator deveria sofrer uma drástica mudança de peso, mas Phoenix, que havia emagrecido para papéis anteriores, não estava ansioso para fazer isso novamente.

“É uma maneira horrível de viver”, disse Phoenix. “Eu acho que ele deveria ser meio pesado. Todd estava tipo, ‘Eu acho que você deveria fazer a pessoa magra’.” Phoenix perdeu 23 quilos para o papel.

Phoenix treinou com um coreógrafo e estudou vídeos de dançarinos famosos (“Não vou dizer quem”), e ele e Phillips se desafiaram com as idéias que encontraram nos livros (“Não vou lhe contar o que esses livros eram”). O ator aprendeu a aplicar sua própria tinta no rosto e manteve um diário de piadas pela metade e pensamentos frenéticos que aparecem no filme.

Phillips disse que os maiores receios de Phoenix sobre “Coringa” eram seus laços explícitos com a mitologia dos quadrinhos, representada de maneira mais proeminente pelo personagem do bilionário Thomas Wayne (Brett Cullen), cujo filho, Bruce (Dante Pereira- Olson), crescerá para ser Batman.

“Ele nunca gostou de dizer o nome Thomas Wayne”, disse Phillips. “Teria sido mais fácil para ele se o filme fosse chamado de ‘Arthur’ e não tivesse nada a ver com nada disso. Mas, a longo prazo, acho que ele conseguiu e apreciou.”

Os quadrinhos não são desconhecidos para Phoenix. Ele os colecionou avidamente quando adolescente, apesar de preferir brutais anti-heróis da Marvel, como Wolverine, ao panteão sério da DC. Em 2014, quando a Marvel estava lançando Doutor Estranho, o estúdio procurou Phoenix para interpretar o super-feiticeiro, mas ele teria interrompido as negociações e, no final, Benedict Cumberbatch conseguiu o papel. Phoenix se recusou a me explicar por que ele fez isso; “Eu acho que eles… eu não sei”, foi tudo o que ele disse.

É claro que Phoenix tinha visto e admirado as versões de Coringa de Nicholson e Ledger, mas ele alegou ser “alegremente ingênuo” em relação às imensas expectativas de medir.

Quando Phoenix fez algumas entrevistas antes de “Coringa” começar a produção e foi questionado sobre como seu desempenho poderia ser diferente, ele disse que percebeu: “Isso é realmente um grande negócio”, acrescentando: “Eu estava tipo, tão por fora que não sabia que as pessoas fariam isso.”

PARA UM NOMEADO TRÊS VEZES AO OSCAR, Phoenix pode ser charmosamente inconsciente sobre os problemas e o vocabulário do showbiz. (“Filmes Tentpoles*, é assim que se chama?”). Mas ele também é um trapaceiro que passou meses de sua vida fingindo ter desistido de atuar no hip-hop, como preservado no falso documentário de 2010 de Casey Affleck: “I’m Still Here”.

Sua reputação de volatilidade o precede, mas também deixa os cineastas mais ávidos por trabalhar com ele. James Gray, que dirigiu Phoenix em quatro longas-metragens, disse que, quando trabalharam juntos, em seu drama criminal de 2000, “Caminho Sem Volta”, o ator poderia ser brilhante.

“Ele não tinha controle total de seu instrumento”, disse Gray. “Ele era como um mergulhador olímpico que ainda não conhecia as regras formais das Olimpíadas”.

Mas nos anos e filmes juntos que se seguiram – “Os Donos da Noite”, “Amantes” e “Era Uma Vez em Nova York” – Gray disse: “Ele começou a entender, francamente, que não havia limites e começou a se tornar destemido.”

Gray reconheceu que Phoenix possuía “uma qualidade de barril de pólvora”, mas que vinha de um local de compromisso e convicção.

“Se você não estiver preparado, ele saberá e lhe informará”, disse Gray. “Você tem que fazer seu dever de casa.”

Phillips disse que houve momentos em que Phoenix perdeu a compostura no set de “Coringa”, às vezes para o espanto de seus colegas de elenco.

“No meio da cena, ele simplesmente se afasta e sai”, disse Phillips. “E o pobre outro ator acha que o problema são eles e nunca foram eles – sempre foi o próprio Joaquin, e ele simplesmente não estava sentindo isso.” E depois de respirar, ele diz: “vamos dar um passeio, vamos voltar e nós faremos isso. ”

Robert De Niro, que aparece em “Coringa” como um anfitrião sarcástico de fim de noite em que Arthur está apegado, não encontrou esse lado de Phoenix e disse que o ator era um profissional consumado.

“Joaquin foi muito intenso no que estava fazendo, como deveria ser, como deveria ser”, disse De Niro. “Não há nada do que falar, pessoalmente, do lado: ‘Vamos tomar um café’. Vamos fazer as coisas”.

De Niro, que interpretou solitários perturbados em vários filmes que inspiraram “Coringa”, disse que podia entender por que atores e plateias continuavam sendo atraídos por esses personagens. Mas ele também observou que ter um fascínio por Travis Bickle não faz de você Travis Bickle.

“As pessoas se identificam com isso de alguma forma – não que elas cheguem a esses extremos”, disse ele. “Eles podem entender o sentimento. Às vezes essas coisas são catárticas.”

Phoenix, por sua vez, não estava inclinado a dizer a ninguém como interpretar “Coringa”, ou a considerar a possibilidade de que alguns de seus elementos – seja a violência brutal por armas de fogo ou a ambivalência sobre movimentos de protesto – possam torná-lo o filme errado para um momento não tão sutil. “No entanto, você quer falar sobre isso, cara, isso é com você como jornalista”, ele me disse.

E ele parecia quase zangado, no começo, quando perguntei se “Coringa” pode ser um mau presságio para o cinema, se isso significa que filmes dirigidos a personagens só podem ser feitos nessa escala se forem baseados em personagens da cultura pop estabelecidos . “Eu nem sei o que você acabou de dizer”, ele rosnou.

Mas quando refiz a pergunta um pouco, ele deu uma resposta mais calma e mais medida. “Cabe ao artista encontrar o caminho para contar histórias significativas”, respondeu ele. “Se meus sobrinhos não vão assistir a um filme de duas horas, o que você vai fazer? Você só precisa seguir o que é verdadeiro para você e alguém está interessado ou não.”

Era difícil imaginar que Phoenix navegasse graciosamente em todas os eventos promocionais que tais filmes do mercado de massa exigem – obrigações que provavelmente aumentarão depois que “Coringa” se tornar o vencedor surpresa do prêmio Leão de Ouro do Festival de Veneza, seu prêmio máximo, que nos últimos anos foi atribuído a futuros ganhadores do Oscar como “Roma” e “A Forma da Água”.

Mas Phillips disse que Phoenix estava livre para abordar esses deveres como quisesse. “Se ele for ao Jimmy Kimmel e sair depois de dois minutos, eu diria: ‘Esse é o meu garoto'”, disse Phillips com orgulho. “Ele segue seu próprio ritmo.”

Mas para onde Phoenix quer que ele o leve? Ele não é o tipo de ator que planeja sua carreira com cinco fotos de antecedência e não tem uma produtora pessoal trabalhando dia e noite para desenvolver novos projetos. Quando perguntei se ele achava que precisava desse tipo de aparato de Hollywood, ele alegremente me lembrou que, momentos atrás, eu havia dito que ele nunca precisaria se preocupar com a origem de seu próximo papel.

“Então, qual é?” Ele disse com apreensão falsa. “Se decida! Cinco minutos atrás, eu estava sentado, rindo, dizendo: ‘Bem, estou pronto’. Agora você me deixa muito, muito nervoso.”

Mas, falando sério, pessoal: Phoenix disse que seus critérios para escolher o trabalho são realmente muito claros. “Eu realmente não me importo com gênero ou tamanho do orçamento, algo assim”, disse ele. “É apenas se existe um cineasta que tem uma visão única, uma voz e a capacidade de fazer o filme”.

Phoenix também disse que era fácil para ele ficar sentado por meses em um momento em que ele sente que ficou superexposto. Em um determinado momento, ele disse: “você não quer ver isso” – ou seja, ele próprio – “em um pôster. Você está dirigindo pela rua e pensa, ‘De novo? Este rosto? Está cansativo. Chega.'”

Para fazer o que ele quer, Phoenix disse que há apenas uma pergunta que ele precisa considerar, e é ridiculamente fácil: “O que vai me deixar empolgado ou inspirado e querendo trabalhar duro?”, Ele disse.

E ele continuará perguntando até que essa piada não seja mais engraçada. “Se não sinto que estou me esforçando de alguma maneira, ficarei entediado, ou talvez eles fiquem entediados de mim”, disse ele. “Não sei quem vai se cansar de quem primeiro.”

  • * tentpole-movie: Um filme importante que é caro para produzir e que deve gerar receita significativa para o estúdio de produção e os investidores.

Joaquin Phoenix surpreendeu os passageiros do metrô de Toronto com uma visita surpresa que obstruiu brevemente a plataforma e as escadas de uma estação do centro da cidade.

A estrela de cinema fez a aparição de tarde pouco antes da hora do rush para apoiar uma campanha publicitária promovendo o veganismo, mas não falou com os espectadores nem entrou em um trem.

Phoenix passou cerca de cinco minutos vagando entre os passageiros para ver imagens em preto e branco de animais. Os murais fazem parte de uma campanha da organização Be Fair Be Vegan, sediada no Colorado.

Liderando a turnê, Anita Krajnc, do grupo de defesa vegana Toronto Pig Save.

Ela diz que conheceu Phoenix em um protesto no verão passado no matadouro de Los Angeles, quando ele lhe deu suas informações de contato.

Phoenix está em Toronto para participar do Toronto International Film Festival, onde está promovendo seu novo filme “Coringa”. Ele estava programado para participar de uma premiação apenas algumas horas depois para receber um prêmio.

Cerca de duas dúzias de apoiadores e meios de comunicação veganos seguiram Phoenix enquanto passeava pela estação de St. George na segunda-feira, parando ocasionalmente para ver imagens tristes de ovelhas, porcos, peixes e outros animais de criação.

Krajnc diz que o evento foi organizado muito rapidamente, observando que ela perguntou a Phoenix no domingo se ele poderia aparecer e ele concordou naquela noite.

“Ele está tão ocupado que a única janela que tinha era das 15h às 17h de hoje e ele tem esse grande prêmio, mas ainda tirou um tempo para apoiar o Be Fair Be Vegan, porque está muito perto do seu coração “, disse Krajnc.


Confira todas as imagens deste álbum

Fonte.

Atualizei a galeria com mais de 200 fotos em HQ do Joaquin Phoenix na cerimônia de encerramento e premiação do Festival de Veneza, que aconteceu ontem, dia 7.


Confira todas as imagens deste álbum

A estréia de “Coringa” no Festival de Cinema de Veneza atraiu aplausos que duraram cerca de oito minutos neste sábado à noite para o ator Joaquin Phoenix, o diretor Todd Phillips e a emocionante, mas angustiante, história de origem que mapearam para o vilão de Batman.

Phoenix e Phillips foram acompanhados na Sala Grande por Zazie Beetz, que também estrela o filme como a vizinha do personagem de Phoenix. Robert De Niro, que interpreta um apresentador de um talk-show, não estava presente.

O burburinho em Veneza vinha crescendo constantemente em torno do filme da Warner Bros., desde a estréia do mês passado como parte da programação até o clímax das duas exibições da imprensa e da estréia no tapete vermelho no sábado. As duas sessões de imprensa foram lotadas, com a segunda também sendo muito aplaudindo no final e aplaudindo quando o nome de Phoenix apareceu nos créditos finais.

Fonte.

Confira em nossa galeria as fotos do tapete vermelho:


Confira todas as imagens deste álbum

Joaquin Phoenix, Zazie Beetz, o diretor Todd Phillips e a produtora Emma Tillinger Koskoff estiveram presentes hoje no Festival Internacional de Veneza para divulgar o filme “Coringa”. Confira em nossa galeria as fotos do photocall, conferência de imprensa e algumas fotos deles chegando ao festival:


Confira todas as imagens deste álbum

Confira todas as imagens deste álbum

Confira todas as imagens deste álbum

O filme “Coringa” ganhou três novos cartazes, confira em nossa galeria:


Confira todas as imagens deste álbum

O filme “Coringa” é destaque na revista Total Film, edição de Agosto, trazendo entrevista e fotos inéditas do filme. Confira:


Confira todas as imagens deste álbum

“Houve momentos em que eu pensava, tipo, ‘olhe para essa porra de mundo e como nos falta empatia, verdadeira compaixão e cuidado'”, diz Phoenix quando perguntado se precisava apenas ligar no noticiário para ajudar a moldar sua interpretação. “Eu senti como se houvesse coisasestranhas e [co-escritor] Scott [Silver] estava tocando que eram relevantes para o que podemos estar experimentando agora. Mas eu também senti que eles não estavam sendo didáticos, e eles não estavam te direcionando para uma maneira particular de assistir ao filme, e dizendo: ‘Esta é a causa’. Para mim, o Coringa…”

“Estou relutante em moldar a maneira como as pessoas veem esse filme”, ​​acrescenta Phoenix. “Não há realmente uma maneira correta de ver esse filme. Parte do que é tão fascinante sobre o Coringa é que não existe a origem específica. Não há um catalisador específico. E assim nos permite, como espectador, projetar nossas próprias idéias de descontentamento ou o que quer que sintamos sobre o personagem. Então, sim, acho que há muitas coisas que são relevantes. Espero que as pessoas explorem essas coisas e falem sobre elas. É uma maneira segura de fazer isso. Mas também sinto que não é só isso. ”

Todd Phillips, que também atua como diretor do filme, concorda que o filme “não é para ser político, mas pretende ser provocativo”. Ele continua: “Eu acho que haverá algumas pessoas de 21 anos que assistirão a isso, que apenas pensam que é uma versão de uma história do Coringa. E tudo bem, também. Eu não quero definir isso como sendo um filme com uma mensagem, porque não é, mas definitivamente é, da mesma forma que ‘ Batman: O Cavaleiro das Trevas’ não era um filme de mensagem, mas definitivamente era um tipo de coisa terrorista pós-11/09 de ‘Oh merda …'”.

Phoenix e Phillips conversaram longamente com a revista Total Film sobre o filme para a última edição, com Phillips também falando sobre como o filme tem sido influenciado pela trilogia “Se Beber, Não Case!” e se poderia haver uma sequência. A nova edição chega às lojas em 23 de agosto nos EUA. Enquanto isso, “Coringa” chega aos cinemas em 4 de outubro.

Fonte.

A capa da revista italiana Il Venerdì di Repubblica revela Joaquin Phoenix em sua maquiagem de Coringa neste perfil impressionante do personagem olhando diretamente para a câmera. Esta foto é semelhante a primeira amostra oficial de Joaquin Phoenix como Coringa no primeiro teste de tela de Todd Phillips lançado no ano passado, quando a produção começou.


Confira todas as imagens deste álbum

Fonte.

Foram divulgadas três novas fotos oficiais em alta qualidade do filme “Coringa” (Joker). Confira em nossa galeria clicando aqui!

Clique para ver imagem em tamanho real
Clique para ver imagem em tamanho real
Clique para ver imagem em tamanho real