November 2, 2012
Publicado por Aline   /   Categoria : Entrevista, Notícias, Uncategorized

Click to view full size image

“O que quer dizer com voltar a atuar?” Joaquin Phoenix pergunta. “O Mestre” é o primeiro filme do ator desde o documentário “I’m Still Here”, em que Phoenix, interpretando a si mesmo, fingiu desistir de atuar para seguir uma carreira no rap. Ele acrescenta: “Eu interpreto a mim mesmo neste filme também, você interpreta você mesmo em todos os filmes.”

No filme Joaquin interpreta Freddie Quell, um veterano da Marinha dos EUA tentando construir uma nova vida na América pós-guerra em 1950, sem postos de trabalho e à procura de salvação de um líder carismático do culto (Philip Seymour Hoffman), eu pergunto quais são as semelhanças? Ele responde dizendo que ele não se importa, antes de acrescentar: “Próxima pergunta”.

Ele está claramente em vantagem quando nos encontramos e aparentemente vulnerável, assim como muitos dos personagens que ele faz. Então, tentando passar para uma área mais segura de discutirmos o seu desempenho e, finalmente, o ator começa a se abrir.Sobre seu personagem andar mancando: “Paul [Thomas Anderson] me enviou essas canções, umas 60 músicas, e todas as letras tinham que ver com andar mancando ou ter um tubo quebrado, sobre alguém que foi fisicamente agredido. Levei muito tempo para perceber o que ele estava dizendo. Eu sou um aprendiz lento.”

O filme começa com o Phoenix simulando sexo em uma praia com uma mulher feita de areia. Como tal, é um papel que exigia de Phoenix ter fé na visão do diretor de Boogie Nights e Sangue Negro: “Eu totalmente confiei em Paul, lembro-me logo no início que ele disse, ‘Eu não vou auto-modular tudo, eu só estou completamente indo lá e vou contar com você, eu quero ser capaz de ficar totalmente aberto e ser capaz de ir em qualquer direção’. Paul parecia ter uma ambição sem limites, o que é emocionante e, por vezes, frustrante e faz você se sentir muito estúpido.”

Phoenix recuperou muito do peso que perdeu para o papel. Anderson diz que a perda de peso do ator foi especialmente notável, dado que “ele gosta de comer. Ele gosta de colocar comida em sua boca. Ele não come qualquer alimento, ele teve algumas nozes, que é uma quantidade incrível de disciplina, e não porque é o que ele deve fazer para o papel, mas sim porque o seu apetite é tão grande”.

I’m Still Here teve uma recepção tão mista que alguns críticos ainda ponderraram se seria o fim da carreira de Phoenix. Mas é claro que nunca seria um problema para um dos atores mais notáveis de sua geração. Ele diz que seu grande problema é encontrar os scripts que excitam-lhe: “Poucos meses antes de eu começar a fazer The Master, meu agente sentou comigo e disse ‘eles não fazem os filmes que você quer fazer mais. Eles simplesmente não estão acontecendo’, e foi o fim da conversa. E então Megan veio e ela está fazendo esses filmes.”

Megan Ellison é a mulher que o ator chama de “o Han Solo do cinema, você acha que tudo acabou e ela vem para salvar o dia.” Ela comanda a Annapurna Pictures, que tem o hábito de investir em filmes ousados feitos por autores de prestígio. A filha de um multimilionário, tal é o seu poder em Hollywood que Thomas Anderson diz: “É bom para Harvey Weinstein tenha um chefe também. Ela está no comando, confie em mim.”

No entanto, Phoenix diz que é uma tarefa impossível para ele vir com um plano para as peças que ele quer jogar: “Várias pessoas entram e tomam o crédito para o que eles fazem? Alguém reconhece que uma grande parte do que eles fazem é apenas um acidente? Pelo menos é para mim. Eu vou falar por mim. Eu não acho que eu já disse que eu quero fazer este tipo de personagem e depois eu saio para procurar e encontro. É só sorte, ou você tem sorte ou não”. Eu não posso evitar, mas ele certamente deve ter feito isso em I’m Still Here com seu cunhado Casey Affleck. “Isso pode ser uma exceção”, vem a resposta. “Eu só queria tentar uma maneira diferente de trabalhar, eu queria trabalhar com os meus amigos e eu queria trabalhar sem a máquina inteira.”

Desde que ele fez Gladiador ele não apareceu em nenhum blockbusters de verão. Nós definitivamente não o veremos em um colã em um filme de quadrinhos. Não é só ele, ele argumenta, mesmo ele vendo o valor deles: “Se todos os filmes fossem como The Master seria um mundo muito chato. Eu acho que é bom ter esses blockbusters. Eu não sou contra esses filmes. Eu só não quero experimentá-los. Eu não fiz um, mas eu não sei o que vou fazer amanhã.”

Phoenix tem auto-dúvidas e necessidades específicas no set que, segundo ele, não são adequadas para efeito de filmes pesados: “Eu acho que o problema é que eu não sou muito bom e eu preciso de muita ajuda, preciso de todo o set trabalhando para me ajudar. A única maneira que eu consigo trabalhar é estar muito perto do diretor e da atuação. Pelo menos as pessoas como Paul fazem você se sentir a prioridade.”

The Master estréia hoje em Londres.

Fonte.

Leave a Reply