December 6, 2014
Posted by Admin   /   Filed Under : Entrevista, Notícias

Fonte: playboy.com
Entrevista por Stephen Rebello.
Tradução por Aline.

PLAYBOY: Em três décadas como um ator, que recebeu indicações ao Oscar por Gladiador, Johnny e June e O Mestre, ganhou um Globo de Ouro por Johnny e June e foi nomeado por dezenas de outros prêmios americanos e internacionais. Você está mais identificado com intensoss personagens isolados perturbados em filmes de alguns dos diretores mais individualistas, incluindo, o mais recentemente, Spike Jonze, o próximo Inerente vice de Paul Thomas Anderson e um novo filme dramático de Woody Allen. Aspectos de sua vida e seu comportamento fora das telas têm levado alguns a pensar que você é excêntrico, não filtrado, talvez até desequilibrado. Podemos discutir o que é real e o que não é sobre isso?

PHOENIX: Oh Deus.

PLAYBOY: Você anunciou em 2008 que estava desistindo de atuar para uma carreira como um artista de hip-hop no Late Show With David Letterman, densamente barbudo, cheio de tiques, usando óculos escuros e resmungando em monossílabos. No filme I’m Still Here, Casey Affleck filmou você aparentemente cheirando cocaína, contratando uma prostituta e, durante uma performance de hip-hop constrangedoramente ruim em Miami, se jogou no meio da multidão para brigar com uma pessoa do público. Você continuou fazendo isso por mais de um ano, depois de confirmar o que muitos já tinham adivinhado: Foi um golpe, e o filme foi um falso documentário. Você disse que fez isso como um comentário sobre a desintegração da celebridade e porque você estava “frustrado com a atuação porque eu levei isso tão a sério.” Mesmo assim, é o tipo de golpe que pode deixar os fãs, críticos, cineastas e caras como David Letterman sentindo-se como se fossem estúpidos. Quando Letterman o recebeu de volta no programa no ano seguinte, você pediu desculpas e alegou que ele não estava envolvido. Mas vamos lá, ele estava?

PHOENIX: David Letterman não estava envolvido na brincadeira. Meus agentes, minha assessora Sue Patricola, ela está realmente boa no filme, porque ela parece tão preocupado, certo? Eles estavam todos envolvidos, é claro. Mas olha, David Letterman é um dos caras mais inteligentes na televisão. Não há nenhuma maneira que o cara não soubesse o que estava acontecendo de alguma forma. Isso é o que eu vou dizer sobre isso.

PLAYBOY: É verdade que Ben Affleck, irmão de Casey Affleck, assim como Matt Damon pediu-lhe para deixar tudo claro, mais cedo, porque eles achavam que a farsa poderia prejudicar sua carreira e a de Casey?

PHOENIX: Talvez Casey tenha conversado com eles, mas eu não. Eu posso ver como as pessoas se sentiam como se tivessem sido enganados. Eu acho que eu teria tido uma reação similar. Eu entendo totalmente as pessoas ficarem na defensiva e com medo, porque eles não querem que tirem vantagens deles. Acho que agora todo mundo sabe que nunca foi nossa intenção de atacar as pessoas. Estávamos atacando-nos claramente.

PLAYBOY: a auto esganação foi o que você esperava que seria?

PHOENIX: Bem, eu estou com a impressão de que foi uma experiência libertadora para mim. Ao contrário de quando você está atuando e todo mundo está lá para apoiá-lo e você pode fazer tomada após tomada, quando eu fiz os shows de música ao vivo e um filme, a rede de segurança não estava lá. Ou talvez a rede de segurança estava lá, mas era velha, desgastada, cheia de buracos e, provavelmente, ia entrar em colapso.

PLAYBOY: Entrou em colapso?

PHOENIX: Quando você está lidando com milhares de pessoas em um clube e está fazendo uma falsa luta todo mundo acha que é real, exceto você e o cara com quem você está lutando, você não sabe o que vai acontecer, e o resultado foi muito claro. Foi assustador e também uma grande experiência. Eu disse que foi feito para experimentar uma mudança. Eu realmente não sei o que ele fez. Só o tempo dirá. Você tenta analisá-lo epor si só, ou você faz entrevistas e responde perguntas sobre isso, então você tenta dizer algo que soa interessante e legal. Mas, realmente, eu não sei. Talvez seja apenas a natureza humana querer encontrar algum resultado positivo em tudo o que você faz. Você mente para si mesmo o tempo todo, certo?

PLAYBOY: Você acha que todos nós mentimos para nós mesmos?

PHOENIX: Sim. Isso é realmente verdade e comprovada. Se você não mentir para si mesmo, seria terrivelmente solitário. Estatisticamente, em todos nós, em todas as nossas atividades, as chances de fracasso são tão altas que se você não mentir para si mesmo, você provavelmente simplesmente vai desistir. Então, talvez nós estamos propensos a querer ver resultados positivos com base em nossas ações.

PLAYBOY: O incidente teve a imprensa peneirando velhas citações suas, à procura de pistas ou explicações. Uma citação que foi oferecido como prova várias vezes foi esta: “Meu outro significativo agora sou eu mesmo, que é o que acontece quando você sofre de transtorno de personalidade múltipla e auto-obsessão.” Para nós, isso soa como você sendo petulante e engraçado ao invés de literal.

PHOENIX: Eu definitivamente não disse isso, ou se eu disse, eu não disse isso sério. Eu poderia estar de mau humor e me senti como, “Eu não quero falar com você”, ao invés de me sentir pressionado a fazer algo que eu não queria fazer. Portanto, é totalmente possível que alguém poderia ter sido: “Ele é um idiota”, ou algo do tipo. Mas eles estão, provavelmente, apenas fazendo o seu trabalho.

PLAYBOY: Os fãs se aproximam de você com mais cautela agora?

PHOENIX: Não é diferente. Eu acho que sei o que é ser uma mulher atraente. Acho que isso é basicamente o que a experiência é, certo?

PLAYBOY: O que quer dizer?

PHOENIX: É como quando você observa alguém passar por você, em seguida, parar e virar. Comecei a perceber que é a mesma coisa que às vezes acontece com as mulheres atraentes. Eles vão ser como, “apenas vir para cima e dizer: ‘Ei, como você está?’ Fale comigo”. Quando alguém está a indo para frente e para trás, me deixa inquieto. Eu definitivamente não estou interessado. Mas se alguém vem e diz: “Ei, como você está? Meu nome é fulano de tal” – Ótimo. Vou conversar com você. Se você é genuíno em sua curiosidade sobre alguma coisa, isso é ótimo. Mas essa energia bajulador é desconfortável ter por perto. Ninguém quer experimentar isso.

PLAYBOY: Deve ser desconfortável para a pessoa que está cercando sinuosamente para falar com você.

PHOENIX: Claro, e eu entendo isso também. Uma mulher veio até mim outro dia em uma loja e disse: “Eu realmente sinto muito, mas podemos tirar uma foto?” Eu disse: “Quer saber? Eu não faço isso, mas muito obrigado por ter vindo. Quer dizer, eu estou aqui com dois dos meus amigos e você está sozinha e aproximou-se e disse oi. Isso foi muito corajoso da sua parte”. Seja qual for a energia que ela tinha, foi embora imediatamente. Conversamos um pouco. Foi muito divertido. Em seguida, ela foi e comprou suas meias idiotas e eu comprei meu moletom estúpido, e foi isso.

PLAYBOY: O seu primeiro filme depois de “I’m Still Here” e de uma pausa de quatro anos a partir de 2012 foi “O Mestre”, épico controverso de Paul Thomas Anderson, que tinha um culto como pano de fundo. Seu lançamento reavivou o interesse na forma como, no início de 1970, seus pais, John e Arlyn, e seus irmãos, River, Rain, Liberty e Summer, viajaram pela América Central e do Sul, como parte do grupo religioso Children of God. O grupo tornou-se altamente controverso com ex-membros surgindo e publicamente revelando o abuso sexual de crianças e um ambiente altamente sexualizado em que maridos e esposas compartilhavam os seus parceiros com os outros.

PHOENIX: Pelo que entendi, você está do lado de fora desse grupo até que você seja aceito. Eu não acho que nunca chegamos a esse ponto, porque, francamente, quando ficou mais perto disso acontecer, acho que meus pais pensaram ‘Espere um minuto. Isso é mais do que uma comunidade religiosa. Há algo mais acontecendo aqui, e isso não parece certo’. E assim eles deixaram o grupo muito cedo.

PLAYBOY: Como eles foram introduzidos no grupo?

PHOENIX: Através de amigos. Eu acho que os meus pais tinham uma experiência religiosa e sentiram fortemente sobre isso. Eles queriam compartilhar isso com outras pessoas que queriam falar sobre sua experiência com a religião. Esses amigos eram como, ‘Oh, nós cremos em Jesus também’. Eu acho que meus pais pensaram que tinham encontrado uma comunidade que partilhava os seus ideais. Cultos raramente anunciam se como tal. Geralmente é alguém dizendo: ‘Nós somos pessoas afins. Esta é uma comunidade’, mas acho que o momento em que meus pais perceberam que havia algo mais do que isso, eles saíram.

PLAYBOY: Você já comparou notas com Rose McGowan, que falou sobre passar os primeiros nove anos de sua vida com seus pais em uma versão Italiana do culto? Ela disse à imprensa sobre os membros femininos da seita existirem apenas para servir os seus homens sexualmente e ter que ir a bares para atrair novos recrutas.

PHOENIX: Não, mas eu acho que muito do que foi exposto sobre o grupo aconteceu na década de 1980. Ela estava lá bem na década de 1980, eu acho. É uma espécie de uma progressão típica de algo assim, sabe? Ele começa de um jeito e leva algum tempo antes que ele se transforme em outra coisa. Quando as pessoas falam sobre Children of God, sempre há algo vagamente acusatório sobre isso. É culpa por associação. Eu acho que foi realmente inocente por parte dos meus pais. Eles realmente acreditavam, mas eu não acho que a maioria das pessoas vejam dessa forma. Eu sempre pensei que era estranho e injusto.

PLAYBOY: Com todas as viagens que você fez com a sua família, não é difícil de fazer amigos e depois ter de dizer adeus?

PHOENIX: Sim. Nós éramos crianças divertidas, por isso haviam muitos amigos. Eu tinha alguns amigos sólidos em momentos diferentes, com certeza. Para ser honesto, a maioria dos meus amigos eram amigos da minha irmã e eram meninas. Era muito mais divertido sair com meninas do que meninos.

PLAYBOY: Quando você descobriu que as meninas ficaram consciente sobre você como você ficou sobre elas?

PHOENIX: Bem, isso é imediato, não é? Eu não sei com que idade, mas é assim que tudo começa a ficar curioso sobre o outro. Não me lembro de sexo ser discutido na minha família. Você se torna um adolescente e começar a ter curiosidade sobre o assunto.

PLAYBOY: A desilusão dos seus pais com o grupo levou-os a celebrar o renascimento mudando seu sobrenome de Bottom para Phoenix e mudar-se para o sul da Califórnia. Foi quando sua mãe conseguiu um emprego na NBC e os trouxe a agentes de talentos, que você assinou com a idade de seis anos. Você entrou para o show business de bom grado?

PHOENIX: Oh sim. Estávamos sempre cantando e tocando música, e fomos incentivados a nos expressar. Quando você é uma criança, atuar é uma extensão de brincadeira. Você tem uma imaginação, certo? Se isso é incentivado e você está em um ambiente onde você está tendo estes suportes e oportunidades para expressar-se, é muito excitante. Eu sempre adorei. Na verdade, eu estava pensando sobre isso enquanto dirigia em toda a San Fernando Valley hoje. Nós costumávamos viver no fundo do vale, e a caminhonete station wagon quebrava o tempo todo quando íamos em audições. Mas eu adorava aqueles momentos em que você ia a um teste ou em um set e ter uma experiência que você não sabia que você era capaz de ter e realmente não saber nem por onde ele veio. Foi tão gratificante ter esta experiência.

PLAYBOY: Você parece bastante positivo, mas alguns atores que começaram suas carreiras quando crianças tem ressentimento ou têm histórias de horror reais.

PHOENIX: É estranho que eu nunca tive essa experiência. Se tivesse tido, eu apenas teria dito, “Foda-se”, e teria sido isso. Mas, novamente, eu tinha uma ótima família, de apoio. A coisa mais importante era que eu nunca senti que fui colocado em uma posição onde eu tinha de suportar algo.

PLAYBOY: Houve uma diferença de quatro anos de idade entre você e seu irmão, River, mas ambos tiveram um monte de trabalhos na TV e filmes desde o início. Havia muita competição entre os seus irmãos?

PHOENIX: Éramos uma equipe, e quem estava trabalhando, bem, isso era ótimo. Éramos sempre solidários um ao outro. Não havia concorrência. Nós apenas não tínhamos essa raia competitiva em nós pela maneira como fomos criados.

PLAYBOY: Vocês estudam em casa e são obrigados pelo Estado a serem tutelados enquanto trabalhavam em filmes e em programas de TV. Você estava nessa?

PHOENIX: Não. Eu não sei se eu sou preguiçoso, mas eu sou um corredor. Resistência nunca foi a minha. Eu só quero ir para a próxima coisa. Eu gosto de atuar, porque posso me concentrar muito por três, quatro meses e depois ir embora. Eu odeio finais de semana. Gostaria de filmar sete dias por semana, se pudesse; dois dias de folga é demais. Quando eu estou nisso, eu não sei se eu sou preguiçoso. Felizmente, eu não acho que eu não tenho isso com a atuação, mas se eu tivesse que ficar com algo por um ano ou dois, eu não sei se eu poderia ter esse tipo de compromisso. Tenho compromisso incondicional no momento para uma determinada coisa. Eu posso entrar e dar tudo de mim, mas eu não vou durar.

PLAYBOY: Então você não deu tudo de si na escola?

PHOENIX: Não, e eu me arrependo de não dar tudo de mim. Eu sempre tive a sensação de que não posso ficar preso aqui fazendo isso; Eu tenho outras coisas para fazer. Você fica velho o suficiente e perceber que havia tempo de sobra para investir em várias coisas. Eu tive quatro, cinco anos que eu poderia ter me dedicado a um monte de coisas. Por exemplo, eu comecei a ter aulas de trompete. Eu tentei tocar trompete quando eu tinha 15 anos eu percebi que eu teria que estudar cinco anos antes que eu pudesse tocar decentemente. Eu fiz algumas lições, mas cinco anos parece uma eternidade quando você tem 15 anos, e eu parei. Eu comprei um trompete cerca de seis anos atrás e tive outra aula. A mesma coisa aconteceu. E então eu pensei ‘Bem, agora seis anos se passaram, e se eu tivesse insistido nisso…’. De qualquer forma, eu tive a minha primeira lição de trompete há duas semanas, e eu tenho praticado meia hora todos os dias desde então. Eu não sei se eu vou avançar muito porque eu fico facilmente satisfeito.

PLAYBOY: O que você quer dizer?

PHOENIX: Eu estava fazendo a aula e nós dois seguramos estas notas juntos. Achei tão agradável. Eu estava pensando, ‘Isso é totalmente satisfatório.’ Eu não tenho essa necessidade de alcançar a grandeza, como, ‘Eu quero mais! Quero mais!’ Eu estava totalmente satisfeito executando esta escala.

PLAYBOY: Como você mencionou em sua entrevista em dezembro de 2007 para a revista PLAYBOY, você foi um vegan desde o seu terceiro aniversário. É verdade que você se recusou a usar qualquer couro em seus trajes em Gladiador e Johnny e June?

PHOENIX: Eu não sei de onde veio isso, porque em Johnny e June havia definitivamente algumas botas de vintage, e eu tenho certeza que eram de couro em Gladiador também. Eu não uso couro na minha vida, mas com filmes, há algumas coisas que eu luto, como se há restrições orçamentárias ou uma coisa particular do vintage que eles precisam. Para o alimento no set, vegan é muito comum agora. Há hambúrgueres vegetarianos em restaurantes fast-food. Então, eu acho que as pessoas estão bem com isso.

PLAYBOY: Quando você não está recebendo hambúrgueres vegetarianos de restaurantes fast-food, você cozinha?

PHOENIX: Apenas lixo vegan. Eu posso fazer um sanduíche de merda, massas e saladas, mas eu não sou um cozinheiro adequado.

PLAYBOY: Como alguns atores, você viveu com Liv Tyler por vários anos após atuar com ela no filme de 1997 ‘Círculo de Paixões’. Algumas fontes especularam que você namorou com Anna Paquin, com quem você fez o filme de 2001 ‘Guerreiro Buffalo’. Você tem regras para namorar colegas de elenco?

PHOENIX: Depende, né? Quero dizer, o amor é amor. Eu não acho que a sua profissão deve afetar suas ações, mas você não deve fazer nada que vai distraí-lo do trabalho.

PLAYBOY: Ultimamente o seu nome tem sido associado com Allie Teilz, uma DJ de 20 anos de idade. As relações amorosas podem ser resistente o suficiente; se a presença de imprensa e fotógrafos colidir as dificuldades exponencialmente?

PHOENIX: Relacionamentos são difíceis, então a adição de sensibilização do público, provavelmente, não é uma coisa boa. Tive sorte, e os meus amigos, como eu, não prestam atenção a essas coisas. Se você deixá-lo ser uma parte de seu mundo, isso afeta você. Se você quer ficar online ou olhar para si mesmo em uma revista, isso provavelmente vai ferrar você. Felizmente eu nunca tive um interesse nisso. Muitas vezes, agora temos a experiência de caminhar na Melrose Avenue direito pelos paparazzi, e eles às vezes falam, “Ei, Joaquin”, ou eles não dizem nada, ou eles não tiram uma foto. Claro, várias vezes em meus 20 anos, quando eu estava namorando uma atriz ou algo assim, eles estavam curiosos. Agora eles principalmente tiram fotos na esperança de que eu vou ser atropelado por um carro ou tropeçar ou alguém jogue algo em mim.

PLAYBOY: Tendo tido uma infância nômade e viajado muito ao fazer filmes, você gosta de ficar solto e descompromissado, ou você gosta de criar raízes?

PHOENIX: Quando eu trabalho eu costumo viajar, então quando eu não estou trabalhando eu tenho a tendência a querer ficar apenas em casa. Não me lembro a última vez que tirei férias. Quando eu tinha 20 anos, fui com uma amiga para uma ilha. “Férias” para mim é ficar em casa, e eu estou feliz que trabalho por alguns meses, depois tiro alguns meses de folga e não trabalho tanto.

PLAYBOY: Você definitivamente tem trabalhado muito ultimamente. Você interpreta um drogado e engraçado detetive particular no próximo filme Vício Inerente, versão para a tela de Paul Thomas Anderson, do romance de Thomas Pynchon. O filme é uma espécie de Raymond Chandler em estilo filme noir, no final da década de 1960, exceto que é cheio de drogados, coelhinhas de praia e excêntricidades. Também é desconcertante, viajante e estilizado.

PHOENIX: É uma experiência, certo? É incrível que você tenha dito isso, porque eu acho que é isso que você tem que fazer. Isso só acalma para esta experiência. Eu não estava ciente disso até após o fato, quando o filme terminou. Eu estava andando na vida cotidiana, pensando, Wow, eu estava nesse outro lugar por tanto tempo; eu fui levado nesta jornada e esta experiência. Como diretor, Paul não te joga diretamente nele. Ele o guia tão sutilmente que você nem percebe que você acabou de ser trazido para esse outro mundo, este outro momento.

PLAYBOY: Um de seus colegas de elenco, Josh Brolin, quis dizer isso como um elogio, quando ele falou que fazer o filme foi “caos absoluto a cada dia”, que a vibração era “louco e maluco e criou insegurança”. Foi assim para você?

PHOENIX: Bem, Josh é o melhor. O melhor. Sim, trabalhar com Paul é uma experiência imersiva. Todo mundo no set é tão comprometido com essa experiência. Não parece como fazer um filme em alguns aspectos. Às vezes eu não entendo mesmo totalmente como ele faz o que ele faz – como que ele faz você ter essa sensação de que você está assistindo a um filme em vez de estar em um. Alguns dias você está dirigindo para casa e você pensa, “Wow, espere, eu sei que estávamos no set, mas o que estávamos filmando hoje?”. Era um sonho.

PLAYBOY: “Vício Inerente” levou tantos anos para ser lançado que Robert Downey Jr., que foi frequentemente mencionado como o mais provável para fazer o detetive hippie, disse recentemente que Anderson teve que dar a notícia a ele que ele tinha ficado “muito velho” para estrelar nele.

PHOENIX: Quando eu entro para o elenco, eu sempre acho que é porque a primeira escolha deles não estava disponível. Claro, quem é que vai admitir isso para você? Mas eu não tenho nenhum problema com isso. Para mim é como se, só entre onde você pode. Eu lembro que eu disse a Paul, “Ouça, cara, eu não quero que você sinta qualquer obrigação.” Quando estávamos filmando, eu disse a mesma coisa, e ele era como, “Sim, não, eu vou demiti-lo se você não…”.

PLAYBOY: Se você não servisse para o papel, ele iria demiti-lo?

PHOENIX: [Risos] Eu não sei se ele realmente disse isso. Eu quero que os cineastas que admiro, as pessoas com quem trabalho, façam o melhor filme possível. Se isso me inclui, ótimo. Se isso não acontecer, eu entendo.

PLAYBOY: Quem não te chamou que você gostaria que chamasse?

PHOENIX: Eu vou sempre querer trabalhar para David Lynch.

PLAYBOY: Sua primeira vez trabalhando com Anderson foi para o Mestre, em que você interpreta um perdido, quase animalesco veterano da Segunda Guerra Mundial, que vem sob a influência de um líder do tipo cientologista carismático interpretado por Philip Seymour Hoffman. Ambos tem indicações ao Oscar. Depois de trabalhar tão estreitamente com ele, como sua morte trágica afetou você?

PHOENIX: Eu não quero falar sobre isso.

PLAYBOY: Mas depois de ter sofrido uma perda de alto perfil como Philip Seymour Hoffman, para não mencionar o seu irmão, River Phoenix, em 1993, com a idade de 23 anos, você tem uma filosofia sobre o que acontece depois da morte?

PHOENIX: eu não tenho a mínima idéia, cara. Quero dizer, Jesus. Se você me disser que eu sou um jogo de vídeo de merda que alguns alienígenas estão jogando em algum lugar, bem, isso parece totalmente plausível para mim. Ei, você e eu poderíamos ser uma espécie de simulação de alguém 200 anos no futuro. Eu não sei. Quero dizer, a teoria de ninguém parece plausível. Então eu digo, deixe ir, cara. Apenas deixe ir.

PLAYBOY: Como estrelar o novo filme de Woody Allen está sendo para você?

PHOENIX: Ele não é nada parecido com o que você pensa ou como os personagens que ele interpreta. Ele é muito assertivo e forte, sabe o que quer. Eu gostei muito de trabalhar com ele. Sua escrita é tão boa, e ele entende o ritmo de uma cena tão bem, é incrível de experimentar. Você pensa em uma cena e parece tudo bem, e, em seguida, ele faz alguns pequenos ajustes, e é como a desobstrução de uma artéria.

PLAYBOY: Vocês já tinham chegado perto de trabalhar juntos antes?

PHOENIX: Minha mãe me lembrou de que eu fiz um teste para ele quando eu tinha uns 20 ou algo assim. Eu nem sei por quê. Ouça, ele foi o primeiro cineasta que eu fiquei ciente. Eu lembro de ter visto Love and Death, quando eu era criança. Eu sempre quis trabalhar com ele, mas eu não achava que ia acontecer. Então eu fiquei muito satisfeito.

PLAYBOY: Quando você estava na sua adolescência, você ficou quatro anos fora dos filmes, porque você estava desencantado com os papéis disponíveis para você. Você fez isso de novo em 2008 e não apareceu em um filme por mais quatro anos, citando a falta de inspiração, entre outros motivos. Você faria isso de novo?

PHOENIX: Acredite em mim, é difícil não ficar inspirado e animado quando você trabalhar com pessoas como Paul Thomas Anderson, Spike Jonze ou Woody Allen. Estou muito abertos a doar-me ao processo agora e não tentar controlá-lo. Eu acho que talvez eu fiz isso quando era mais jovem. Eu tinha idéias específicas sobre como eu queria interpretar alguma coisa, e eu estava bastante rígido de uma forma. Eu costumava tentar mapear as coisas do início ao fim. Isso começou a mudar alguns anos atrás, quando eu comecei a trabalhar com esses diretores maravilhosos que não tinham medo de incertezas ou de descobrir alguma coisa no momento. Eu realmente não sei nada sobre o surf, mas eu imagino surfistas interagirem com algo que está em constante mudança, que se sente como se estivesse vivo. Estou depois dessa experiência. Eu tenho a sorte de trabalhar com diretores que parecem apreciar essa experiência também. Eu não tenho muito ego quando se trata de trabalhar agora.

PLAYBOY: Você ganhou muito respeito de fãs e críticos por se arriscar como ator, fazendo coisas de fio de alta tensão que se não funcionassem, poderia ser muito embaraçoso. Você vê dessa forma?

PHOENIX: Não é realmente um fio de alta tensão. Ou talvez seja um fio de alta tensão, mas com uma rede forte e um enorme colchão macio embaixo. Quero dizer, você está apenas fazendo um filme. Eu olho para essas crianças que estão em seus 22 anos e jogando na final da Copa do Mundo, onde você tem uma chance, sem um segundo take, e todo o tempo a equipe adversária está gritando com você e acenando coisas na sua cara para fazer você perder. Todo mundo no filme está apoiando os atores. Todo mundo quer que o outro tenha sucesso. Estamos todos trabalhando juntos.

PLAYBOY: Então a sua adrenalina nunca explode em um set de filmagem?

PHOENIX: Não, eu ainda acho que é aterrorizante, e isso é loucura, não é? De certa forma, é ridículo que eu, literalmente, venho fazendo isso há 30 anos e ainda me sinto como se fosse a primeira vez que eu estou fazendo um filme toda vez que eu entro. É provavelmente bom, no entanto, só porque isso significa que eu ainda me importo e isso importa muito para mim. Mas eu acho que é ansiedade e medo, ao contrário de um debilitante. Talvez às vezes é debilitante, e pode ficar no caminho. Espero que eu tenha feito bem por não combatê-lo, sabendo que ele está lá e apenas permitindo-me a andar com o meu medo.

PLAYBOY: Quando você não está trabalhando, o que você faz para obter a adrenalina subindo?

PHOENIX: Eu sou um covarde de merda total. De certa forma isso é provavelmente por isso que eu sou um ator. Eu tenho medo. Eu nunca tive o desejo de fazer bungee jumping, saltar de um avião, tirolesa ou qualquer coisa assim. Acho que é aterrorizante. Eu não acho que eu sou arriscado dessa forma. Se sim, já abrandou. Quatro ou cinco anos atrás eu costumava andar de moto, mas você realmente não pode andar sem andar rápido, e eu não sei se isso vale a pena. É muito divertido, mas porra, é tão perigoso. Eu acho que provavelmente tenha ficado ainda mais mole.

PLAYBOY: Mas você parece saudável e em forma nos dias de hoje.

PHOENIX: Eu medito, as oito da manhã e novamente à noite. Eu realmente não sei o que diabos é ou por que funciona, mas eu realmente não sei como Tylenol funciona também. Talvez seja um placebo. O que quer que você faça para tirar um tempo do seu dia e só parar por um tempo, eu acho que é benéfico. Pelo menos, tem sido para mim. Eu comecei Iyengar yoga, algo que eu tinha evitado, porque eu acho que é chato.

PLAYBOY: Então você está fazendo mesmo com o tédio?

PHOENIX: Para o filme de Woody Allen eu era muito sedentário e fora de forma, com um pouco de barriga. Por acaso, eu estava falando com alguém que eu tinha conhecido há algum tempo, mas não sabia o que ele fazia. Eu perguntei a ele, e ele disse: “Eu ensino yoga.” Eu disse: “Ótimo, eu vou amanhã.” Depois da primeira aula eu lhe disse: “Eu vou ser honesto, eu não acho que eu vou voltar. Isso é horrível, e eu gostava muito de você, e agora eu te odeio. Eu não quero que isso altere muito a nossa relação.” Mas eu já estou preso a isso, porque eu gosto da idéia de me esforçar. É divertido para quebrar você mesmo mentalmente, ceder a algo e abrir mão do controle. Isso é algo que eu tive um momento difícil com antes.

PLAYBOY: Houve um rumor de que você poderia estar entrando em forma para estrelar o super-herói épico da Marvel, Doctor Strange. Mas essas negociações parecem terem acabado.

PHOENIX: Eu não posso falar sobre isso. Eu conheci em todos os tipos de filmes ao longo dos anos. O que parece atraente sobre alguns deles, é a ideia de me empurrando para algo que está fora da minha zona de conforto. Mas, na verdade, é o que eu estou sempre à procura de bons personagens, grandes idéias e um cineasta apaixonado. Se as coisas se alinham com qualquer tipo de filme, eu tenho interesse nele.

PLAYBOY: Você lia quadrinhos enquanto crescia?

PHOENIX: Há muita coisa boa em Batman e clássico Dark Knight de Frank Miller e Arkham Asylum. Mas eu sempre fui um grande fã de Wolverine. Eu amo Wolverine – grande personagem dramático. Eles estão todos em conflito, e eles são realmente interessantes.

PLAYBOY: Você já se arrependeu de dizer não a um grande filme, talvez até mesmo um filme da Marvel?

PHOENIX: Há apenas um filme que eu lamento ter dito não, exceto que a pessoa que acabou fazendo era tão boa e foi absolutamente significativo fazendo, que eu não tenho nenhum arrependimento. Eu não vou dizer qual, mas foi realmente um grande sucesso. Está chegando até o ponto onde eles estão fazendo alguns filmes bastante decentes. Eu achei que o Homem de Ferro foi fantástico.

PLAYBOY: Você vota?

PHOENIX: Claro, a abordagem covarde para votar – alguma maneira patética, falho da votação para o melhor de dois males. Eu gostaria de ser mais envolvido politicamente. Eu voto, mas eu certamente não sei muito sobre os problemas. Eu não digo isso com orgulho. É terrível. Eu devia.

PLAYBOY: O que você sabe agora que você não sabia quando você conversou com a Playboy há sete anos?

PHOENIX: Tudo o que eu sei é que eu tenho sorte, e minha boa sorte continua. Fora isso, quanto mais velho fico, mais eu sei que eu não sei porra alguma. Eu sinto como se eu apenas fizesse merda, como, “Eu tento não ter nenhuma regra”, mas talvez eu tenha regras. Eu não sei. Estou tentando melhorar e ser aberto ao mistério de tudo isso.

Leave a Reply