April 13, 2018
Publicado por Aline   /   Categoria : Entrevista, Notícias

Entrevista por EW – Publicado em 05 de Abril de 2018.
Traduzido por Aline – Por favor não reproduze sem os devidos créditos a este site!

EW: Estou intrigado com atores que interpretam papéis como esse, que são incrivelmente intensos e emocionais, e eu me pergunto o quanto desse papel entra na sua cabeça – como você vai para casa à noite depois de cenas que são brutais? É fácil ir embora depois de terminar ou você vive com o personagem por um tempo?

JOAQUIN PHOENIX: Não há como responder a isso sem parecer um idiota. Eu não sei, eu sempre odeio, apenas como [como] eu fui afetado por isso. Em cada filme, você basicamente navega na pesquisa até que seja impossível – se você ler sobre um assunto por semanas ou meses, é claro que isso afetará você. Mas eu não… espero que não seja uma consciência… Eu sempre sinto que as performances são ruins quando eu vejo muitas decisões conscientes, como atores tentando mostrar coisas, então eu espero que não tenha feito isso, eu tentei não mostrar nada. Mas, inevitavelmente, você será afetado por isso, é um mundo brutal, para ser honesto. Também houveram momentos em que sentado entre as cenas e eu e Lynne estávamos contando piadas um pro outro, então isso se torna sua vida e eu acho que isso era parte da coisa – quando Joe acha humor nas coisas ou o que é o relacionamento com seus colegas? É como se tudo estivesse… você está vendo um trecho da vida de alguém, mas eles são como um ser humano completo. Há momentos em que eles se sentam e assistem a um filme, comem comida, então isso se torna sua vida por um breve período de tempo.

Eu imagino que você provavelmente seja perguntado muito sobre se você tem uma preferência por personagens sombrios e atormentados que vivem no limite e o que os atrai para eles, mas você também é apenas uma pessoa que provavelmente gosta de comédias assim como de dramas. Está tentando entender por que você é atraído por esses tipos de personagens.

Sim, eu não sei, é engraçado porque eu olho para os quatro filmes que eu fiz este ano ou no ano passado e eu não diria que eles eram todos dramas intensos, e então para mim, parece que o impacto de um filme acabado parece particularmente tenso, mas eu não… não sei por que, para ser honesto. Eu não tive a sensação de quando li este roteiro que eu tinha que fazer este filme. Eu sinto que foi algo que cresceu e começou a se apresentar para mim quando comecei a pesquisar e passar um tempo com Lynne. Eu realmente não sei o que me atraiu para o filme – acho que talvez tenha sido uma das primeiras vezes em que eu estive, acho que talvez estivesse interessado em trabalhar com Lynne. Eu acho que talvez seja isso, é o não saber que me atrai. É algo que parece ser assim, um mundo que eu não entendo e parece tão distante de mim, e talvez eu queira encontrar uma maneira de entrar – o que é esse quebra-cabeça, o que pode ser resolvido, o que pode ser descoberto? Eu não sei porque, mas eu não me sento e penso “Eu quero fazer isso” – eu não sei, eu não entendo porque eu quero fazer isso.

Eu percebo que perguntar algo como “você gosta de comédia ou drama?” Pode ser redutivo.

Sim, mas é apenas uma maneira de entrar. Acho que o que sempre descubro quando faço divulgação é que não penso nas coisas da maneira que o público pensa, certo? E eu deveria, certo? Isso é retrógrado?

Eu não acho que você deveria, cabe a nós (como repórteres) fazer essas perguntas, não é?

[Concordando] Não, não acho que você precise e, na verdade, acho que é o caminho errado para um ator abordar as coisas. Quer dizer, eu não sei qual é o caminho errado, é apenas errado para mim.

Todo mundo tem sua própria história sobre por que eles interpretaram um personagem e um filme – cada momento desse filme parecia tentar mostrar quem é esse homem e por que ele é quem é.

Você está certo, isso é o que a experiência foi, foi algo que foi descoberto a cada dia. Foi realmente uma coisa que tivemos – uma coisa que Lynne e eu conversamos sobre isso foi muito importante para mim – foi que nenhuma cena era apenas um pouco de informação para nos levar para a próxima cena; foi uma oportunidade para descobrir algo mais sobre o personagem, e pode não combinar com a nossa ideia de onde achamos que está indo, mas vamos estar realmente abertos à possibilidade. E eu definitivamente dei a ela duas horas de lixo total que era inútil, na busca de descobrir alguma coisa. Há tanta coisa que, tenho certeza que se você visse algumas dessas outras cenas ou outtakes, você diria: “Essa é a pior coisa que eu já vi na minha vida.” Há tantos… eu estava tipo, “Deus, por que você acha que isso funcionaria?”, Mas essa parte, para mim, de qualquer maneira, foi a parte mais excitante do processo – não há erros e você não toma essas decisões sobre as regras do personagem e do mundo, que é algo que eu costumava fazer, aquela ideia de “Qual é o meu personagem?” ou “Meu personagem nunca faria isso.” Eu dizia “Foda-se, eu não sei o que ele é capaz e nós apenas temos que colocá-lo nessas situações e reagir a isso”. E isso é o que eu acho que foi tão gratificante sobre fazer o filme, foi que ele excedeu minhas expectativas com base em minhas aspirações de quando eu li este roteiro pela primeira vez e o que eu pensei que poderia ser, e começou a ganhar vida própria.

Nós também veremos você interpretando Jesus no próximo filme “Maria Madalena”. Como você vai assumir o papel de uma figura religiosa?

Só talvez ir na direção oposta de uma figura religiosa, e tentar descobrir o homem. Eu acho que talvez, novamente, eu realmente não saiba, eu só estou dizendo merda, eu estou tentando pensar em coisas, mas eu realmente não sei porque eu faço um filme. Eu não posso te dizer, é apenas um sentimento que eu tenho, e eu acho que havia coisas que eram curiosas, se você fosse como, na verdade, você está tendo essa experiência, como seria? Aqui está o nosso entendimento, então o que nos foi dito sobre os milagres, a cura, mas, como é que isso realmente é, o que isso significa? Então eu acho que há apenas uma curiosidade sobre ter essa experiência e está tirando isso do ícone e tentando descobrir o homem, porque eu acho que é isso que torna a crucificação um sacrifício, que exige alguém que ama ser humano e ter essa experiência e sente essas emoções humanas que nós sentimos tão fortemente, e então eu fiquei curioso sobre como isso poderia ser.

É interessante quando você interpreta um personagem que é tão conhecido… falando sobre o assunto, há rumores de que você estará interpretando o Coringa. Há alguma verdade nisso?

Isso tudo é super interessante. Não tenho nenhuma ideia sobre isso. Não há absolutamente nada que eu possa dizer sobre esse assunto.

Leave a Reply