Quando Joaquin Phoenix assumiu o papel de Jesus no novo filme “Maria Madalena”, ele fez muitas das coisas esperadas: cresceu o cabelo comprido, adotou um olhar intenso e sobrenatural, até mesmo meditou no topo de uma montanha.

Mas havia uma coisa que ele não faria. Perto do começo de “Maria Madalena”, que estreou na sexta-feira nos Estados Unidos, o roteiro pedia a Jesus que curasse uma mulher cega esfregando lama em seus olhos, um eco do Evangelho de João. (É um homem cego na Bíblia, uma mulher cega no filme.)

“Eu conhecia essa cena da Bíblia, mas acho que nunca havia considerado isso”, disse Phoenix à CNN em uma entrevista recente. “Quando cheguei lá, pensei: não vou esfregar sujeira nos olhos dela. Quem faria isso? Não faz qualquer sentido. Essa é uma introdução horrível de se ver.”

A Bíblia não explica completamente por que Jesus usou barro ou lama para curar cegos, embora alguns especialistas afirmem que essa é uma prática comum entre os curandeiros do primeiro século. Em “Maria Madalena”, Phoenix decidiu seguir seu instinto, lambendo um polegar sem lama e gentilmente esfregando os olhos da mulher.

“Isso me liberou, de certa forma, para descobrir o que é verdadeiro no momento”, disse ele. “Esse momento não é tanto sobre um verdadeiro milagre. É sobre alguém que foi excluído pela sociedade sendo finalmente visto, abraçado e encorajado a se juntar à comunidade mais ampla. Para mim, isso é um milagre. Há algo profundamente belo nesse sentimento.”

Essa mensagem humanista captura a essência de “Maria Madalena”, um filme que visa a fidelidade histórica em alguns aspectos, mas cujas correntes emocionais e intelectuais são radicalmente contemporâneas.

O objetivo dos cineastas era “resgatar” o personagem-título, contando a história de Jesus de um ponto de vista feminino (e feminista).

Retratada por um Ronney Mara ágil e luminosa, Mary Magdalene é retratada em uma busca espiritual e com uma alma similar a Jesus. Sua ligação perplexa e irrita os outros apóstolos, particularmente Pedro, que procura marginalizar Maria. Nesse e em outros aspectos, “Maria Madalena” parece inspirar-se tanto no movimento #MeToo quanto no “Evangelho de Maria”, um livro apócrifo descoberto em 1896.

Um tanto ironicamente, a distribuição americana do filme foi adiada por vários anos depois que a Weinstein Co. quebrou durante o escândalo #MeToo da vida real.

O diretor, Garth Davis, que foi aclamado pelo seu primeiro longa-metragem, “Lion”, disse que se sentia “desconectado” da igreja enquanto crescia na Austrália. Como um número crescente de ocidentais, sua vida espiritual estava fora da religião organizada, outro tema predominante em “Maria Madalena”.

“Eu não queria fazer um filme religioso”, disse Davis à CNN em uma entrevista. “Eu queria fazer um filme espiritual.” Em uma cena crucial, Maria sugere fortemente que os apóstolos nublaram a mensagem de Jesus com a deles. O reino vindouro que Jesus pregou não é algo que possamos ver com nossos olhos, ela diz a Pedro. É o contentamento de uma alma que renunciou ao ressentimento e à raiva, que cresce com cada ato de amor e cuidado.

“Não é um lugar que você pode chegar lá e ficar para sempre”, disse Mara à CNN em uma entrevista. “É uma escolha que você tem que fazer todos os dias, a cada momento.” No filme, Pedro diz a Maria que ela está errada, acusando-a de enfraquecer o movimento deles e do próprio Jesus. No entanto, ela persiste. “Eu não vou ficar em silêncio”, diz Maria. “Eu serei ouvida.”

Se “Maria Madalena” retrata com precisão seu personagem-título é uma questão para os estudiosos. Mas sua apresentação de uma mulher desafiando a estrutura patriarcal da religião organizada é firmemente deste momento. Mesmo antes da explosão do #MeToo, as mulheres nos círculos conservadores cristãos têm pressionado contra as restrições que muitas vezes as marginalizaram e calaram. Durante séculos, a própria Maria Madalena foi enterrada sob falsas afirmações com outros personagens bíblicos e chamada de prostituta possuída por um demônio. Somente em 1969 a Igreja Católica deixou de identificá-la com a “mulher pecadora” que unge os pés de Jesus nas Escrituras. A igreja mais tarde deu a Madalena a devida justiça, chamando-a de Apóstola dos Apóstolos porque ela foi a primeira a testemunhar o ressuscitado Jesus.

Mara, que cresceu como católica e frequentou escolas católicas, disse que inicialmente relutou em assumir o papel principal. “Eu tinha todas essas idéias preconcebidas sobre Maria Madalena e sobre religião em geral, muita bagagem que me fez hesitar”, disse Mara. “Não foi até falar com Garth e olhar para a história como um adulto, sem aquela bagagem da escola católica, que eu poderia retirá-lo e vê-lo com novos olhos.”

Mesmo na era moderna, a vontade de sexualizar Maria Madalena aparentemente é forte, com livros e filmes populares propondo que o vínculo entre Jesus era mais que espiritual. Em “Maria Madalena”, seu parentesco é profundamente emocional, mas não sexual. Só Maria vê o preço que a vida de Jesus tomou em sua mente e corpo. “O coração do relacionamento é um entendimento de que ambos se vêem um no outro”, disse Mara. “Maria se sentiu fora de lugar toda a sua vida, e eles realmente se entendem de uma forma que ninguém mais consegue. Existe um amor profundo ali.”

Filmes sobre Jesus e os primeiros cristãos muitas vezes têm que passar por um portão estreito. Se eles são muito piedosos, correm o risco de afastar os telespectadores seculares. Se correrem riscos e forem “fora da Escritura”, poderão alienar os crentes religiosos. Isso também vale para “Maria Madalena”, disse Kutter Callaway, professor assistente de teologia e cultura no Seminário Teológico Fuller, uma escola evangélica na Califórnia.

“Muitos conservadores ficarão irritados imediatamente se até fingirem ter uma obra de arte que coloca palavras diretamente na boca de Jesus que não são da Escritura.”

No entanto, Callaway, que assistiu ao filme, disse que “feminiza” Jesus de uma maneira “boa”. Ao descentralizar a história de Jesus e se concentrar nas mulheres, o filme mostra o quão radical era para uma mulher como Maria Madalena desistir de sua casa e família para seguir a Jesus.
“Isso força o espectador a ser guiado e orientado por preocupações femininas”, disse Callaway. “Há uma ameaça generalizada de violência que ainda hoje está sempre em jogo. É uma mensagem muito diferente da maioria dos filmes sobre Jesus, mas também é muito importante para hoje, quando estamos tendo conversas na comunidade religiosa e, mais amplamente sobre como as mulheres são tratadas.”

Em uma cena aterrorizante, a família de Maria realiza um exorcismo nela, pensando que seu comportamento extraordinário é o resultado da possessão demoníaca. Mas já alguns cristãos conservadores criticaram “Maria Madalena”, chamando sua mensagem de “heresia” e dizendo que ela não pode ser exata, pois se baseia em textos que não estão na Bíblia. O retrato de Jesus de Phoenix também está longe de ser o “brilhante, feliz e super-poderoso” Cristo de muitos filmes de Jesus, disse Callaway.
“Maria Madalena” captura Jesus em seus últimos anos, quando está cansado de seu passado e preocupado com seu futuro. Como retratado por Phoenix, ele é muitas vezes desgrenhado e distante, mais o homem profético das dores do que o exaltado rei dos reis. Sua queima lenta no templo enquanto observa os emprestadores de dinheiro vendendo sacrifícios de animais, uma prefiguração de sua própria crucificação sacrificial, capta a ambivalência do filme sobre a missão de Jesus.

Phoenix disse que ele procurou retratar a humanidade de Jesus, reconhecendo sua divindade também. “O que o filme está dizendo é que todos nós contemos ambas as coisas simultaneamente. Essa é minha crença pessoal.”

Como um ator transmite essa crença na tela?
“A chave para mim não foi aplicar nenhuma regra ao personagem”, disse ele à CNN. “Há momentos em que ele está cheio de raiva e de momentos em que ele está em paz. Ele é muito mais um ser humano. A única coisa em que entramos foi que tudo o que ele sentiu, ele sentiu fortemente. Eu não sei se foi um sexto sentido ou algo mais, mas ele fez um esforço para ouvir os outros e ser profundamente empático”.

Depois que ele chegou no set no sul da Itália, Phoenix disse, sua mente estava nadando em pesquisas e pensamentos sobre Jesus. Ele decidiu subir as montanhas sozinho.

O que ele fez lá em cima?
“Um bando de coisas idiotas que eu não vou te contar”, disse o ator com uma risada. “Foi um momento meditativo onde não há nada para fazer e você simplesmente pára. Sua mente pára. E essa é a chave.”

Fonte.
Traduzido por Aline – Joaquin Phoenix Brasil.