Artigo original: inquirer.net | Por Ruben V. Nepales
Traduzido por Aline. Por favor não reproduza sem os devidos créditos!

Palavras para descrever a imponente conquista de Joaquin Phoenix como ator em “Coringa” são supérfluas. Ele é fantástico, surpreendente, simplesmente brilhante em como Coringa surgiu.

Em meio à genialidade de Joaquin, é fácil ignorar a história de origem inesquecível do diretor Todd Phillips para o Coringa, que ele co-escreveu com Scott Silver.

O ano é 1981 e o roteiro narra a vida de Arthur Fleck, um fracassado comediante que se transforma no Coringa. Robert De Niro, Zazie Beetz e Frances Conroy fornecem suporte sólido.

Joaquin, geralmente reticente nas entrevistas, era envolvente. Quando ele sorria ou ria, aqueles olhos escuros – suas melhores características, que o servem bem como ator – se iluminam.

Trechos da conversa:

Como você se preparou para entrar no personagem para interpretar o Coringa? Você começou com o riso? Sim, eu comecei com o riso. Foi a primeira coisa que Todd trouxe para mim em nossa primeira reunião, antes mesmo de ler o roteiro. Ele me mostrou vídeos dessas pessoas nessas risadas incontroláveis. Esse certamente foi o ponto de partida.

Não me lembro exatamente, mas comecei a mergulhar nisso quatro meses antes de começarmos a filmar. E isso obviamente tem um efeito profundo em você.

E a dança? É parte integrante do seu Coringa. Eu não pensei sobre a dança e esses movimentos até chegar a Nova York, com dois meses de antecedência. Comecei a trabalhar com o coreógrafo e assisti a vídeos. O interessante e divertido de fazer personagens é que você não sabe que parte deles afetará outra parte.

E sua tremenda perda de peso para o papel? A perda de peso foi parte de uma parte da fluidez que meu personagem experimentou no movimento, porque literalmente você é mais leve e seu corpo se move de maneira diferente. Quando meu peso chegou ao meu objetivo, apenas me movia de maneira diferente. Há algo de empoderador e fortalecedor na perda de peso, porque você controla seu corpo, impulsos.

Também há algo de enfraquecedor e prejudicial fisicamente – nas minhas pernas, você perde massa muscular e fica suscetível a lesões de uma maneira diferente. É a essas coisas que você começa a reagir. O meu favorito é ter algo tangível, uma experiência que eu possa ter que afeta esse personagem. Parte disso tem que ser experimental. Mas pelo menos quatro meses antes das filmagens, iniciei o processo (ou a preparação).

Você voltou e assistiu o Coringa de Heath Ledger em “O Cavaleiro das Trevas”? Não. Eu não o vi desde que foi lançado. Não queríamos sentir que estávamos conectados a qualquer outra interpretação do personagem, do filme ou da história em quadrinhos. E então não, eu absolutamente não assisti novamente. Tentei basear o personagem na realidade, tanto quanto possível, e não em outro filme.

Uma das cenas mais memoráveis ​​é quando você dançou no banheiro após um incidente crucial. Quais são as cenas que você gostou de fazer? Eu tenho muitas favoritas. É interessante que você traga essa cena no banheiro, porque isso foi transformador de muitas maneiras. Foi literalmente sobre a transformação do personagem. Foi a terceira semana de filmagens quando filmamos essa cena.

Foi quando Todd e eu realmente clicamos de uma maneira que adoro trabalhar com um diretor, quando ele se torna simbiótico. Você quase começa a se entender sem falar. Essa cena foi originalmente concebida como algo completamente diferente, bastante expositivo.

Mesmo durante todo o processo de ensaio, eu sempre lutei muito com essa cena. Eu realmente não conseguia identificar o que me incomodava. Então, naquela manhã, Todd e eu fomos ao set sozinhos. Conversamos de novo – poderia ser o riso, e isso parecia maníaco demais.

Percebi que precisávamos de algo não-verbal que pudesse ilustrar a transformação, o surgimento, esse outro lado de Arthur, que era o Coringa, depois desse momento em sua vida em que tudo muda. O que poderia ilustrar melhor isso? Comecei a falar sobre movimento e dança. Eu disse: “Não é feliz, não é alegre, certo? Não queremos algo maníaco. O que é isso?”

Todd acabara de receber uma parte da trilha. Ele começou a tocar para mim, e eu fiquei profundamente afetado por isso. Eu disse: “Ah, sim, talvez haja algo nisso.” Ele disse: “Vamos ligar a câmera no seu pé”. E foi tudo o que dissemos. Então fomos, nos preparamos e eles acenderam. Começamos a filmar.

Então, para mim, esse momento é importante, porque realmente, de uma maneira interessante, mostra o surgimento do Coringa. Mas também ajudou a definir um relacionamento e um processo de trabalho que Todd e eu fizemos durante o resto do filme.

Nós dois estávamos nervosos, e achamos isso perturbador às vezes. Aprendemos a nos sentir confortáveis com esse sentimento, a não ter que saber qual seria o resultado a qualquer momento e a se expressar da maneira que desejava.

Portanto, a cena central do banheiro foi uma improvisação. Sim, certamente não coreografamos isso.

Este é um filme sombrio. Como você descreveria sua própria escuridão? Provavelmente a mesmo que a sua (risos). Quero dizer, eu não sei.

Arthur Fleck tem um relacionamento muito próximo com a mãe. Como sua mãe afetou seus anos de crescimento? Minha mãe (Heart) me afetou ou me inspirou muito. Ela é uma mulher incrível. Enquanto eu estava em Toronto (para o festival de cinema), ela estava no Leste Europeu com sua organização sem fins lucrativos, em homenagem a meu irmão, chamada River Phoenix Center for Peacebuilding. Eles ensinam práticas de comunicação não violenta e justiça restaurativa, para citar alguns.

Então, enquanto ela estava lá, eu estava em Toronto realmente mudando o mundo (risos). Ela é uma fonte constante de inspiração para mim. Ela tem 75 anos e dedicou sua vida a esta organização como voluntária. Ela tem sido uma influência profunda em mim, assim como minhas irmãs.

Como estava o seu humor ao gravar o filme? Você sentiu vontade de sair com os amigos? É engraçado. Você não sabe quanta comida ou bebida faz parte da nossa interação social. E como eu não pude participar disso, não saí com ninguém. Eu realmente não socializei. Honestamente, eu raramente faço isso. O set de filmagem e as pessoas com quem estou trabalhando se tornam meu círculo social.

Quando você está trabalhando, torna-se sua vida. Torna-se tudo o que você pensa constantemente. Mesmo quando você acha que não está trabalhando ativamente em uma cena, está.

Eu tenho amigos que são atores. Quando eles estão trabalhando, é muito difícil falar sobre qualquer coisa além do trabalho. Tudo consome.

Você pode falar sobre o momento em que não achou que atuar seria seu futuro? Foi uma época em que eu meio que abandonei a atuação. Eu não pensei que era para mim. Eu certamente tinha colocado a atuação em espera porque senti que os papéis que eu estava procurando não eram inspiradores.

Mas quando você estava nessa faixa etária, certamente era raro encontrar algo que parecesse essencial. Eu não queria fazer filmes para crianças. Então eu apenas parei.

Você também pode elaborar o discurso que fez no Toronto Film Festival, onde disse que seu irmão (River) foi fundamental em sua carreira de ator? Sim, por qualquer motivo (risos), ele pensou que eu seria ator, e ele me disse isso. Não sei por que, mas lembro que em um momento minha mãe e eu estávamos olhando um para o outro dizendo: “Do que ele está falando?” Mas ele certamente me deu confiança para continuar. Ele foi bastante insistente. É disso que eu lembro.