Artigo original: LA Times.
Traduzido por Aline. Por favor não reproduza sem os devidos créditos.

Em uma tarde de outubro, um dia antes de seu aniversário de 45 anos, Joaquin Phoenix está sentado em uma suíte de hotel em Los Angeles e acende um pouco timidamente um cigarro American Spirit. Em agosto, ele havia conseguido parar de fumar por cerca de três semanas, ele explica, mas depois começou novamente quando viajou para o Festival de Cinema de Veneza, em setembro, para a estréia mundial de seu novo filme “Coringa”. Phoenix diz, balançando a cabeça. “Eu tenho que parar.”

Talvez seja compreensível que o ator tenha tido a recaída como uma muleta para aliviar o estresse, como fumar, dada a jornada de virar a cabeça em que se viu ultimamente. Uma abordagem sombria e corajosa sobre a origem do vilão mais icônico do mundo dos quadrinhos, o “Coringa” do diretor Todd Phillips entrou nos cinemas no mês passado em uma onda de controvérsias e críticas divididas e tornou-se um sucesso instantâneo.

O filme da Warner Bros. já arrecadou quase US $ 1 bilhão em todo o mundo até o momento, estabelecendo um recorde para o filme de maior bilheteria de todos os tempos, e a vez de Phoenix como o problemático aspirante a comediante Arthur Fleck. colocou-o no coração da corrida ao Oscar de ator principal deste ano.

Muitos filmes colhem riquezas nas bilheterias, mas “Coringa” provou ser um fenômeno cultural de boa-fé. Os fãs estão fazendo peregrinações a uma escada no Bronx para reencenar a cena em que Fleck faz uma dança por aqueles degraus. Pensamentos intermináveis sobre o filme explodiram na Internet, e os espectadores debruçaram-se sobre todos os detalhes em busca de pistas sobre o que isso significa. O traje do Coringa de Phoenix estava, segundo uma pesquisa, entre os trajes de Halloween mais populares deste ano.

Toda a atenção tem sido grande para Phoenix lidar. Este é um ator que sempre manteve a fama de maneira irônica, a ponto de fazer um documentário falso, “I’m Still Here”, de 2010, descrevendo sua suposta loucura e a decisão de se tornar um rapper. “Acho que não esperava que este filme fosse bem-sucedido”, diz ele. “Não sei se tinha alguma expectativa. Honestamente, Todd e eu estávamos apenas tentando criar algo que não acabasse com nossas carreiras.”

Antes de “Coringa” aparecer, Phoenix recusou várias ofertas para estrelar filmes de quadrinhos. Isso não foi por aversão ao gênero em si, ele insiste. (“Estou aberto a qualquer coisa – considerarei uma versão live-action de ‘Papa-Léguas’ “.) Ele simplesmente se preocupava em ser engolido pelas máquinas de franquia, por vezes sem alma, que costumam acompanhar a tarifa de super-herói.

“Lembro que, como oito anos atrás, me disseram, ‘os filmes estão mudando. Eles não estão fazendo os filmes que você deseja, então você precisa fazer um desses’ ”, diz Phoenix. “Faz sentido. Provavelmente é uma boa estratégia. Mas para mim, acho que o medo era que você se prendesse repetidamente a fazer algo que realmente não lhe interessa, que não o motive ou o excite.”

Mas, apesar da aparente resistência de Phoenix, Phillips estava empenhado desde o início em atrair o ator – que ganhou três indicações ao Oscar por seus trabalhos em “Gladiador”, de 2000, “Johnny e June”, de 2005, e “O Mestre”, de 2012 – para trazer o Coringa a vida.

“Há um pouco de selvageria nos olhos de Joaquin”, diz Phillips. “Brincando, digo que ele parece um agente do caos. Ele gosta de embaçar a linha entre o que é real e o que não é. Apenas com base no que eu vi dele nos filmes ou na TV fazendo entrevistas, havia algo nessa natureza caótica que parecia certa.”

Embora tenha levado quatro meses para Phoenix finalmente concordar em assinar o projeto, ele foi conquistado pela visão de Phillips de um estudo de caráter fundamentado, mais semelhante aos filmes de Martin Scorsese como “Taxi Driver” e “Touro Indomável” do que os típicos filmes de quadrinhos com seu espetáculo CGI, capas e gracejos. “A maioria dos filmes parece tão rígido; todo momento é planejado”, diz Phoenix. “Esse parecia que estava sem corda e sem um plano”.

Trabalhando com um orçamento de US $ 55 milhões – apenas uma fração dos típicos filmes de quadrinhos – Phillips e Phoenix se esforçaram para se aprofundar cada vez mais na complexa e perturbada psique de Fleck. Desde o início, eles acharam que havia mais do que suficiente para descobrir. “Na segunda ou terceira semana de filmagens, eu fiquei tipo, ‘Todd, você pode começar a trabalhar em uma sequência? Há muito a explorar’ ”, diz Phoenix. “Foi uma espécie de brincadeira – mas não realmente.”

Phillips deixa claro que não há nada em andamento no momento, mas ele não se opõe à ideia de uma sequência. “Mas não poderia ser apenas esse filme selvagem e louco sobre o ‘Palhaço Príncipe do Crime’ “, diz ele. “Teria que ter alguma ressonância temática de maneira semelhante a isso. Porque acho que é por isso que o filme se conectou, é o que está acontecendo por baixo. Muitos filmes são sobre a faísca, e isso é sobre o pó. Se você pudesse capturar isso novamente de uma maneira real, seria interessante.”

No período que antecedeu o seu lançamento, “Coringa” teve um início auspicioso, ganhando elogios em Veneza e ganhando o maior prêmio do festival. Mas logo a controvérsia começou a girar em torno do filme, quando alguns críticos questionaram se, em uma época de tiroteios em massa muito frequentes, sua representação de um solitário alienado causando vingança sangrenta em uma sociedade indiferente era irresponsável e até perigosa. À medida que as críticas se intensificavam, Phoenix parecia tentar desviar do assunto, a certa altura supostamente saindo de uma entrevista com um repórter por uma hora depois de ser perguntado se ele estava preocupado que o filme pudesse inspirar violência.

Olhando para trás, Phoenix diz agora que ele se sentiu surpreendido pela controvérsia. Com base em sua própria pesquisa sobre o tipo de pessoas que cometem assassinatos e tiroteios em massa, ele temia que emprestar credibilidade e oxigênio à mídia para o debate pudesse fazer mais para inspirar algum pretenso assassino perturbado tentando pegar os holofotes do que o próprio filme sobre um personagem fictício.

“Era uma posição incômoda, porque eu pensava: ‘Bem, não posso resolver isso, porque isso é potencialmente parte do problema – é exatamente isso que você não deve fazer’ “, diz ele. “Então, de repente, parecia que eu estava sendo evasivo e tentando evitar esse tópico, porque isso me deixou desconfortável. Mas, na verdade, eu estava pensando: ‘É exatamente isso que excitaria esse tipo de personalidade’. “

Após semanas do que ele chama de “barulho e loucura”, Phillips diz que se sente justificado ao ver que o filme – que ele e Phoenix dizem que nunca foi feito para glorificar o comportamento do Coringa – tocou o público no mundo todo.

“Não é a bilheteria, mas a recepção que tem justificado”, diz Phillips. “É o fato de eu receber e-mails de pessoas dizendo que o filme as fez olhar para a irmã que sofre de esquizofrenia sob uma luz diferente. Por fim, o filme é sobre o poder da bondade e a falta de empatia no mundo, e o público parece ter percebido isso. É incrível que um filme que deveria inspirar, como eles dizem, o caos em massa realmente tenha inspirado um monte de pessoas a dançar nas escadas. Eu acho que isso fala mais ao nosso tempo do que qualquer coisa.”

De qualquer forma, diz Phoenix, o debate em andamento sobre “Coringa” é uma prova da capacidade do filme de provocar emoções e perguntas que continuam a girar na mente dos espectadores muito tempo depois de deixarem o cinema. Arthur Fleck é vítima de circunstâncias cruéis ou é um monstro criado por ele mesmo? Os eventos do filme realmente aconteceram da maneira como os vemos ou foram o produto da mente iludida de Fleck? Ele é mesmo o Coringa ou ele apenas inspirou o vilão dos quadrinhos como o conhecemos?

Phoenix ainda está ponderando muitas dessas coisas. “Tem sido super interessante como as pessoas reagem ao filme e ao que veem – e para mim todas essas respostas são válidas”, diz ele. “Normalmente você tem que responder a essas perguntas. Mas isso realmente é participativo e interativo. Cabe ao público. Isso é tão raro, especialmente em um grande filme de estúdio, e eu não quero estragar isso dizendo: ‘Não, é isso.’ Para mim, existem muitas maneiras diferentes de ver esse personagem e sua experiência que eu não acho que você possa ter um significado particular.”

Para ele, são essas ambiguidades que fazem o filme valer a pena. Para constar, Phoenix diz que ele acredita pessoalmente que Fleck é o Coringa de verdade. “Mas eu não sei”, ele acrescenta com um sorriso irônico. “É apenas a minha opinião.”