Por LINDSEY BAHR // Traduzido por JPBR
Fotos: RIO ASCH PHOENIX / Warner Bros


Confira todas as imagens deste álbum

JOAQUIN Phoenix tem sido amplamente elogiado por seu papel transformador do homem que se torna o Coringa no novo filme que chega aos cinemas. Embora ele não goste de falar sobre prêmios, muitos acreditam que este pode ser o ano em que ele finalmente vai ganhar um Oscar.

Em uma entrevista, o ator de 44 anos, falou sobre seu processo, por que ele não quer necessariamente revelar como ele fez isso e o momento que ele se preocupou que Robert De Niro jogasse um cinzeiro em sua cabeça.

Ao se sentir inseguro sobre seus métodos:

“Parte disso parece pessoal. Eu não sei. Talvez eu também fique inseguro e fale: ‘Ele não deveria estar lendo isso. Isso é uma coisa estúpida de se ler. Quem estudaria isso?’ “

“Eu tenho medo de dizer algo que haverá outro grande ator que admiro que fica tipo ‘Esse cara não sabe o que está fazendo. Essa é uma ideia terrível. Por que você estudaria isso?’ “

Na perda de peso de 23 kg:

“Quando você atinge o peso desejado, tudo muda. Como muito do que é difícil é acordar todos os dias e ficar obcecado por 0,3 libras (135g). Você realmente desenvolve um distúrbio. Quero dizer, é selvagem.”

“Mas acho que o mais interessante para mim é o que eu esperava e previ com a perda de peso: sentimentos de insatisfação, fome, certo tipo de vulnerabilidade e fraqueza. Mas o que eu não previa era esse tipo de fluidez que eu sentia fisicamente. Eu senti como se pudesse mover meu corpo de maneiras que eu não era capaz antes. E acho que isso realmente se prestou a parte do movimento físico que começou a emergir como uma parte importante do personagem. ”

Ao encontrar os movimentos de dança do Coringa:

“Eu acho que o que mais me influenciou foi Ray Bolger… Havia uma música em particular chamada The Old Soft Shoe que ele tocou e eu vi um vídeo e essa arrogância estranha foi quase nos movimentos dele e, na verdade, eu simplesmente roubei dele. Ele faz isso erguendo o queixo.”

“Esse coreógrafo Michael Arnold me mostrou esse e vários vídeos, e eu me concentrei nele. Aquele era o Coringa, certo? Há uma arrogância para ele, realmente. Essa foi provavelmente a maior influência. Mas também discoteca.”

Sobre as vantagens de experimentar:

“Parecia haver um número infinito de maneiras de interpretar cada momento ou como ele poderia se comportar a qualquer momento. E não havia nada que não fizesse sentido. Então, nós fizemos cenas de várias maneiras diferentes, algumas que eu chorava e outras que eu fazia piadas e outras que eu ficava com raiva e seria a mesma cena e todas elas faziam sentido e isso é tão raro.”

“Há algo realmente empolgante nisso, porque mantém você nesse estado de investigação perpétua e tentando encontrar algo novo.”

“Acho que o diretor e co-roteirista Todd (Phillips) e eu estávamos sempre trabalhando para tentar surpreender um ao outro com alguma ideia.”

“Nunca houve um momento em que me senti completamente relaxado. Eu estava sempre procurando por outra coisa. E há algo muito emocionante nisso. É muito divertido atuar dessa maneira. Muitas vezes, é o contrário.”

E as desvantagens:

“Pela primeira vez em provavelmente 25 anos, assisti diários*. Então, Todd e eu conversávamos sobre quais tomadas pensávamos que funcionavam.”

“Mas minha cena favorita – o que nós dois pensamos ser minha melhor cena por causa de uma cena em particular -, não está no filme. É um clichê, mas é um quebra-cabeça. Então você tira essa cena e ela afeta a cena seguinte. Portanto, uma tomada que poderia ter sido realmente ótima não funciona mais.”

“A melhor decisão para o final de seu discurso sobre Murray Franklin (apresentador do talk show de Robert De Niro) simplesmente não funcionou. Foi uma tomada realmente boa por si só, mas cortou tudo o que simplesmente não funcionou.”

“Uma tomada anterior, que não achei muito boa, foi a que funcionou melhor”.

Ao falar sobre o personagem de De Niro:

“Foi uma das minhas partes favoritas, dizendo ‘Murr-AY’. Todd também adorou. E quando fiz isso, pensei: De Niro vai jogar um cinzeiro em mim?”

  • Diários: Na produção cinematográfica, os diários são as filmagens brutas e inéditas feitas durante a realização de um filme.