Joaquin e Rooney escreveram uma matéria para o site Washington Post falando sobre a ligação do Coronavírus com os mercados de animais. Confira abaixo toda a matéria traduzida:

Mercados úmidos geram contágios como o coronavírus. Os EUA têm milhares deles.
(Por Rooney Mara e Joaquin Phoenix)

Em 3 de abril, Anthony S. Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas do país, juntou-se ao coro de vozes pedindo o fechamento imediato dos “mercados úmidos” da China, onde se acredita que o coronavírus tenha se originado. Açougues, caçadores e consumidores se misturam abertamente, abatendo e negociando animais vivos; é o ambiente perfeito para as doenças zoonóticas saltarem de uma criatura infectada para um humano.

Mas a China dificilmente é o único país onde os mercados de animais vivos e outras operações esquálidas são comuns. Cerca de 80 deles operam apenas dentro dos cinco distritos da cidade de Nova York, de acordo com o Slaughter Free NYC, um grupo sem fins lucrativos que se opõe a eles. Eles estão perto de residências, escolas e parques públicos.

As ameaças menos notórias, mas muito mais comuns à saúde pública são as “operações concentradas de alimentação de animais” (CAFOs) espalhadas pelo Sul e Centro-Oeste. Essas fazendas industriais armazenam milhares de animais que se afundam em seus próprios resíduos com espaço aéreo limitado ou inexistente, criando rotineiramente condições para a proliferação de super insetos e patógenos zoonóticos. Quase todo o suprimento de produtos de origem animal consumido nos Estados Unidos é originário dessas fazendas industriais.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) nos alertam contra os riscos das fazendas industriais há anos. As condições de vida insalubres dentro das CAFOs enfraquecem o sistema imunológico dos animais e aumentam sua suscetibilidade a infecções e doenças. A resposta das fazendas-fábricas tem sido bombear os animais de antibióticos que entram no nosso suprimento de alimentos e em nossos pratos, promovendo sistematicamente nos seres humanos uma resistência letal aos medicamentos que antes reprimiam as infecções cotidianas. Tais práticas levaram a humanidade a tal ponto que a OMS estima agora que mais da metade de todas as doenças humanas emanam de animais.

Muitos de nós têm o privilégio de ficar em casa em segurança com nossos entes queridos para evitar o coronavírus. Mas quanto estamos pensando nos indivíduos e comunidades que são diretamente afetados por nossas escolhas e estilos de vida? Dezenas de milhares de americanos enfrentam ameaças à saúde e bem-estar diários das CAFOs vizinhas e do desperdício de animais que brilha ou flui sobre suas propriedades. Eles não conseguem ficar “seguros em casa”. Aplicaremos a mesma energia que colocamos na superação desse vírus para impedir futuros surtos e ajudar a desmantelar as indústrias que causam tantos danos às comunidades em todo o país?

O Covid-19 é um indicador devastador do que está por vir se não fizermos mudanças rápidas e abrangentes, a menos inconveniente das quais é fechar todos os mercados de animais vivos e CAFOs em meio a esta pandemia global.