Entrevista 1

Para um homem que tem caminhado na linha em Hollywood, atuar ainda continua a ser o seu maior desafio. Ele é um astro do cinema relutante, prefere evitar os enfeites comuns da fama, mas mesmo assim Joaquin Phoenix não quer voltar a ser pobre e anónimo.

JOAQUIN PHOENIX, 33, nasceu em Porto Rico, e foi um dos cinco filhos. Seu irmão mais velho, River, morreu de overdose quando Joaquin tinha apenas 19. Ele recebeu duas nomeações para o Oscar e o BAFTA por suas performances em “Johnny e June” e “Gladiador” e tem dois novos filmes – um thriller, “Reservation Road”, com Jennifer Connelly, e o drama “Os Donos da Noite”, com Eva Mendes e Mark Wahlberg. Joaquin está solteiro e vive em Los Angeles.

Você parece ter um pouco de relutância sobre ser um astro do cinema. Como você gerencia a fama?

Existe um lado fraco de Hollywood. A primeira vez que encontrei Eva Mendes para discutir o filme ‘Os Donos da Noite’ havia um grupo de fotógrafos tirando fotos nossas. Eles davam notícias que nós estavamos namorando, que eu achei muito engraçado.
Não me interpretem mal, eu tentei desesperadamente namorar atraentes atrizes do cinema, mas todas elas me deixavam pra baixo. Se eu estivesse saindo com alguém famosa talvez eu receber mais atenção, mas neste momento a minha vida não parece ser muito atraente para a imprensa, em uma escala maior, está excelente comigo.

Você preferia ser rico e famoso ou pobre e anônimo?

Eu já fui pobre e anônimo e não me agrada a ideia de voltar a ser novamente. Mas ainda me pergunto se quero continuar atuando – há momentos em que não tenho certeza de que está funcionando para mim. Eu sempre tento encontrar alguma verdade maior no processo de fazer filmes que considero válido a mim. Mas, por outro lado, é difícil não continuar fazendo filmes com um doce salário com um grande número de zeros no cheque de pagamento. Sou viciado!

Você normalmente é tão intenso. Você acha que as pessoas ficariam surpresas com o comediante que realmente você é?

Eu não sei do que você está falando … (Comicamente cai da cadeira). Desculpe, continue. Sim, as pessoas não conhecem o meu lado cômico e, quando ele chega na imprensa, o povo abafa isso.

Qual tem sido o seu maior desafio?

Atuar. Eu sou um daqueles atores que gostam de ficar em um personagem entre as tomadas. Eu deixo outros atores loucos, mas, para mim, a coisa mais importante quando estou fazendo um filme é que o personagem tenha precedência. Eu fico obcecada com quem estou interpretando. Eu quero explorar o personagem o mais completamente que eu puder. O momento em que um ator torna-se satisfeito com ele mesmo, o seu trabalho sofre. Penso que devemos sempre desafiar-nos no trabalho.

Você acha que você é mais como sua mãe ou seu pai?

Ambos. Tive uma educação muito pouco convencional. Nós viajamos muito por aí, quando eu era criança.

Quais eram os seus sonhos como uma criança?

Só para ser aceito. Meus pais deram-nos nomes terrestres – Rain, Liberty, Summer e River exceto eu, Joaquin, que significa “Deus vai determinar”. Quando eu era mais jovem, eu mesmo mudei meu nome para Leaf (Folha) assim poderia me adaptar a meu irmão e irmãs. Ninguém compreendeu o que eu estava dizendo quando eu disse que o meu nome era Joaquin. Eles achavam que eu estava dizendo, ‘walking’ ou coisa parecida (Joaquin pronuncia-se algo como ‘uakin’). Isso tornou-se um pouco frustrante então eu mudei meu nome um pouco e, em seguida, eu mudei novamente para Joaquin quando eu era mais velho.

Qual foi sua experiência mais estranha com um fã?

Eu estava esperando por um amigo em um restaurante e este cara ficou me encarando. Eu apenas sorri e ele finalmente gritou: “Hey! Hey!” E eu sussurrei, ” Hey. Hey.” Ele disse, nesta mesma voz alta: “Amo seu trabalho. Amo seu trabalho.” Eu muito calmamente respondi: “Obrigado. Obrigado.” Eu estava tentando sair e ele veio sacudir a minha mão e gritou: “Meu nome é Jerry.” Eu muito calmamente disse: “Joaquin.” E ele: “O que? Não. Tobey.” Ele pensou que eu era Tobey Maguire! Tô te dizendo, sou confundido com outras pessoas o tempo todo.

Existe alguma coisa que você está fazendo pra parar de fumar, mas não consegue?

Eu fumo muito. Mas isso provavelmente me impede de fazer outras coisas ruins.

Qual é a sua idéia do céu?

Vou falar algo um pouco estranho aqui, mas eu gosto de gastar muito do meu próprio tempo nas florestas. Eu não ando as escondidas no meio da noite, mas eu gostaria de estar em um lugar onde ninguém pode me alcançar por telefone ou e-mail.

Com quem você gostaria de ficar preso em um elevador?

Isso muda de vez em quando. Aprendi muito trabalhando com John Travolta. Eu sempre fui um grande fã e eu finalmente trabalhei com ele em ‘Brigada 49’. Senti-me um pouco intimidados para encontrá-lo, mas ele não poderia ter sido um cara mais agradável. Penso que ele seria uma interessante pessoa para um bate-papo no elevador.

Qual é o seu maior arrependimento?

Isso é um pouco de uma questão pessoal. Eu tento não viver de lamento que não vejo o propósito. O que é passado é passado. Eu tento viver no momento. Eu gosto de estar presentes em todos os momentos, mesmo se eu tendo um mau momento no presente.