Michael Stipe, Flea e Rain Phoenix relembram River Phoenix em seu 50º aniversário

Artigo do site floodmagazine.com traduzido:

Em 1991, Aleka’s Attic – a banda que incluía River Phoenix e sua irmã mais nova Rain – pegou a estrada em um trailer para o que seria a última turnê desde a formação, alguns anos antes, na cidade natal dos irmãos, Gainesville, Flórida, e foi um momento especial no tempo. “Havia essa camaradagem de todos estarem juntos e viajando, passando a tocar música todas as noites e percebendo o quão mais próximos ficaríamos como uma banda no final da turnê”, lembra Rain. “Eu era uma adolescente, então ter aquela experiência do que se tornaria minha vida inteira – a música – foi um abrir de olhos.”

Com apenas dezenove anos, a experiência mudou a vida de Rain. Apenas dois anos depois, ela perderia seu irmão River, que morreu em 31 de outubro de 1993 aos 23 anos – mas a música do Aleka’s Attic ainda estava lá. Alguns anos após a morte de River, Rain revisitou as músicas da banda – pelo menos o equivalente a faixas de um álbum – antes de arquivá-las e revisitar vinte e cinco anos depois.

Para comemorar o que seria o quinquagésimo aniversário de River em 23 de agosto, Rain está compartilhando duas faixas inéditas do Aleka’s Attic, “Alone U Elope” e “2×4”, via LaunchLeft, um selo e podcast que ela começou em 2018. Pré-venda em vinil de edição limitada e os produtos oficiais serão lançados no mesmo dia. O single de duas músicas intitulado Alone U Elope apresenta dois amigos próximos de River – Flea do Red Hot Chili Peppers no baixo e Dermot Mulroney no violoncelo. No início deste ano, a LaunchLeft deu início à celebração do aniversário de River com a Launched Artist Digital Singles Series, apresentando singles de novos artistas (com uma conexão de seis graus com River) a cada duas semanas. Com a ajuda de suas irmãs, a campanha começou com a música “Looking Out for Me” da banda de Liberty Phoenix, no Dia das Mães, e terminou na semana anterior ao seu aniversário com o single de estreia de sua irmã Summer, “Tiempo”.

Formado em 1987, Aleka’s Attic era um conto fictício baseado em um personagem sonhado por River – um poeta e uma espécie de filósofo. Aleka tinha uma sociedade secreta de artistas que se reunia em seu sótão e, depois que ele faleceu, algumas crianças encontraram seus escritos e continuam a manter seu espírito vivo compartilhando seu trabalho. “De certa forma, é assim que vejo o lançamento”, diz Rain. “Uma nova geração de crianças pode encontrar seus escritos no sótão de Aleka.”

Ambas as faixas do Alone U Elope foram gravadas originalmente na Flórida no início de 1993. “Alone U Elope” foi escrita mais tarde do que a maioria das outras faixas e é descrita por Rain como mais uma balada pop. “As letras são muito poéticas e há algo nela que parece um dueto com ele e eu, mais gentil e melancólico”, diz ela. “2×4” é o lado mais acelerado do single: “O vocal de River é incrível nele, especialmente no final”, diz Rain. “E eu adoro o baixo de Flea nele. É tão legal. Isso me faz dançar toda vez que ouço.”

Essa sensibilidade é algo que Rain acredita que está atraindo uma geração mais jovem de fãs para seu irmão hoje. “Seus fãs são algumas das pessoas mais gentis e amorosas”, diz ela. “Se você olhar suas postagens [nas redes sociais] e ler o que eles têm a dizer, eles seguiram seu caráter. Eles se preocupam com o meio ambiente, os animais, a humanidade. Eles são todos como pequenos insetos do amor. É tão doce. É incrível pensar que River e Earth Day farão cinquenta anos em 2020 porque ele tem tantos novos fãs que estão na faixa etária do grupo ‘Conta Comigo’! Tenho um senso extra de responsabilidade para com essas crianças. Não consigo me imaginar sendo uma pessoa mais jovem hoje em dia, sei que eles devem estar lutando com tanta ansiedade e medo. Espero que sua memória e o que ele representou possam ser uma fonte de inspiração e motivá-los a agir.”

Lançar “Alone U Elope” não foi fácil para Rain. Ela levou 25 anos para se sentir confortável compartilhando a música que fez com seu irmão, finalmente lançando “In the Corner Dunce” em 2018, seguido pelo single duplo “Time Gone” de 2019, que inclui as faixas “Where I’m Gone” e “Scales & Fishtails”. Embora tecnicamente haja canções dignas de um álbum, Rain diz que River estava relutante em lançar qualquer coisa até que se sentisse bem com isso, razão pela qual ela está tendo cautela ao lançar faixas – muito menos um álbum inteiro – neste momento. Já que River estava em processo de criação de algo que nunca foi concluído, Rain diz que quer fazer o que mais o honraria e o que ele estava fazendo musicalmente.

“É claro que todo mundo quer ouvir tudo, mas isso não significa necessariamente que ele gostaria disso”, diz Rain. “Pelo que eu sei, haveria mais dez músicas. Supor que este foi um álbum é em si uma suposição muito grande. Eu quero que o que venha a ser algo de que ambos nos orgulhemos e que corresponda à sua sensibilidade. O fato de ele não estar mais aqui significa que tenho que ter certeza absoluta. Mesmo quando faço isso aos poucos, tenho que respeitar sua particularidade. ”

Junto com o vinil será lançada uma vasta coleção de novos produtos do Aleka’s Attic, incluindo um pôster “lost in motion” do artista abstrato irlandês Jack Coulter, um design de camisetas vintage do ex-baixista da Aleka’s, Josh McKay, e novos produtos incríveis projetados do próprio animador / designer gráfico da LaunchLeft, Chris Tucci, que também criou o vídeo com a letra de “Alone U Elope”. Rain vai redirecionar as camisetas “River” para incluir a citação manuscrita de seu irmão “Corra para o Resgate com Amor e a Paz seguirá” – as mesmas palavras que o irmão Joaquin citou durante seu discurso de aceitação do Oscar no início deste ano – no verso. Para reforçar ainda mais o ambientalismo de Phoenix, as camisetas também são feitas de materiais reciclados. Clique aqui para visitar o site da loja oficial.

A capa do vinil apresenta uma imagem de Phoenix e seu cabelo bagunçado, uma fotografia tirada pelo amigo íntimo de River, Michael Stipe, o resultado de uma viagem que fizeram à Geórgia. Dirigindo de Nashville a Atenas com Rain e amigos para ver Natalie Merchant tocar, Stipe lembra que estava calor e os cabelos longos de River estavam pendurados em todo o rosto, então eles os trançaram com pedaços de fita adesiva. Quando finalmente chegaram a Atenas, Stipe chamou o artista Jeremey Ayers até sua casa para cortar o cabelo de River no quintal. O resultado final foi um corte em tigela.

“Foi super doce e nada esperado, mas funcionou”, diz Stipe, que fotografou a transformação do cabelo de River. “Quando Jeremy acabou, River parecia Dorothy Hamill ou um dos garotos de The Little Rascals”, conta Stipe. “No dia seguinte, dirigimos para Atlanta para ver Natalie se apresentar novamente, e River e Jeremy usavam esses óculos de sol Joan Didion malucos – e aquele corte tigela e uma enorme camiseta rasgada. Parecíamos uma gangue e tanto. ”

Stipe diz que sua amizade com Phoenix ainda parece única até hoje. “Há um punhado de pessoas que conheci na minha vida que imediatamente senti, ‘Ahh, esta será uma amizade para a vida toda, OK, pronto’ ”, diz Stipe. “Conhecer River foi assim. Definitivamente havia admiração mútua pelo que cada um de nós tinha feito criativamente, mas além disso houve uma faísca instantânea, um calor, um parentesco. Tínhamos muito em comum em termos de ativismo e crenças sobre o meio ambiente e o vegetarianismo, mas também como utilizar a fama e uma plataforma pública para encorajar ideias progressistas ”.

Em muitos aspectos, o espírito de River ainda está envolvido no trabalho de Stipe, assim como o de Rain. Seu primeiro álbum solo, “River”, é dedicado ao irmão e também apresenta um dueto com Stipe em “Time Is the Killer”. Quando ela começou a LaunchLeft, foi para homenagear a vida e o trabalho de River. A plataforma dá aos artistas esquerdistas que, de outra forma, não conseguiriam exposição, uma saída.

Para River, o mais importante do que ser uma estrela foi encontrar essa parte verdadeira de si mesmo e ampliá-la com a fama que conquistou, diz Rain. Se River estivesse vivo hoje, ela não pode dizer o que ele estaria fazendo, mas ela sabe o que ele defendeu em seu ativismo e em sua arte. “Acho que ele seria um ótimo garoto-propaganda para 2020”, continua Rain. “Se a fama leva você para a capa das revistas, por que não usá-la para iniciar conversas sobre os problemas que todos enfrentamos – desespero, emergência climática, justiça racial, direitos dos animais, todos esses problemas que precisam de soluções. Ele estava fazendo isso quando era algo totalmente estranho nos anos 80. Minha mãe sempre diz que River era um ‘solucionário’, ele não gostava de pensar no que havia de errado com o mundo, mas gostava de procurar soluções. ”

Rain acredita que uma das maiores qualidades de seu irmão foi lembrar as crianças de sua geração – e agora uma geração mais nova – da faísca em sua verdade. “Todos nós temos tanto dentro de nós que vale a pena viver e crescer”, diz Rain. “Para ele, não era a coisa mais importante ter um disco de sucesso ou estar em um filme de sucesso. O mais importante era honrar a verdade em sua própria alma e em nosso país e em nosso mundo, e pensar em como todos nós somos capazes de entrar em nossa própria verdade e enfrentar qualquer adversidade, sabendo que temos magia dentro de nós. ”

Tradução por Aline.

Que música de River Phoenix Joaquin citou no Oscar?

Quando Joaquin Phoenix recebeu seu Oscar de Melhor Ator por ‘Coringa’ na noite de domingo, ele citou uma frase de uma música que seu irmão, River, escreveu na adolescência: “Corra para o resgate com amor e a paz seguirá”. Mas onde, exatamente, está essa música hoje? E como se chama?

A Rolling Stone procurou Josh Greenbaum, ex-colega de banda de River no Aleka’s Attic, que lembra: “Faz muito tempo – uma das músicas que Riv escreveu antes mesmo de nossa conexão. E nunca tocamos a música juntos. Comigo, ele queria se concentrar em seu material mais novo, estilisticamente diferente – mais musicalmente avançada e experimental.”

Ainda assim, Greenbaum acha que se lembra do nome da música, “Halo”. O livro de 2001 de Tad Friend, “Lost in Mongolia: Travels in Hollywood and Other Lands Lands”, dá credibilidade a essa memória, pois relata que, durante as filmagens de 1991, “Garotos de Programa” (My Private Idaho), River Phoenix, tocou com Flea e outros atores do filme, em um trecho do livro está “tocando letras doces e descontroladas que Phoenix havia escrito para ele e sua banda, Aleka’s Attic – ‘Corra para o resgate com amor / e a paz seguirá’ ou ‘Ei, ei, onde foi sua auréola?’ ”

Greenbaum não tem certeza de onde “Halo” está agora. “Eu tenho um monte de fitas cassete guardadas que ainda não tive a oportunidade de ler, e há apenas uma pequena chance de que uma música tão antiga esteja realmente em uma dessas fitas”, diz ele. “Teria sido algo que ele me deu quando estávamos começando, e mesmo que exista, não sei se tocaria. Afinal, estamos falando de três décadas de armazenamento, nos mudando várias vezes, vivendo em condições quentes e úmidas, etc. ”

Obs: River também usava a frase em um Pin que era enviado aos fãs que se cadastravam em seu Fã-Clube oficial da época. O Pin fazia parte de um pacote de boas-vindas.

Rain Phoenix fala sobre o novo álbum “River”: ‘Meu irmão tem sido minha luz guia’

Depois que River, o irmão de Rain Phoenix, morreu em frente a ela em 1993, após uma overdose no Sunset Boulevard, enquanto ela e o irmão mais novo Joaquin olhavam impotentes, ela desapareceu nas sombras. Sendo esta a família Phoenix, seu conceito de desaparecer não envolveu apenas se esconder em seu quarto pelos próximos anos. Em vez disso, Rain, com quase 20 anos, saiu em turnê como cantora de apoio com alguns dos amigos musicais de River. Esses amigos eram os Red Hot Chili Peppers e o REM. Estes estavam em turnê com o álbum Monster, que eles dedicaram a River.

Ela também, tentativamente, começou a vasculhar o arquivo do Aleka’s Attic, a banda de seu irmão, à qual se juntara aos 16 anos. Quando voltou para Los Angeles após uma turnê, mudou-se para a casa de hóspedes de alguns outros amigos dos atores de River, Catherine Keener e Dermot Mulroney , e passou 1996 e 1997 editando todas as músicas que não estavam prontas de seu irmão. “E isso”, ela diz, “foi extremamente curador – apenas passando esse tempo ouvindo meu irmão. Depois que terminei, não senti a necessidade de lançar as músicas. Foi o suficiente.”

Isso foi há duas décadas e as coisas mudaram. “Eu sou adulta agora. Meu cérebro não estava totalmente formado aos 20 anos e você processa as coisas de maneira diferente. Agora, sinto uma alegria ao compartilhar meu irmão com outras pessoas. Mas demorou muito tempo para chegar aqui. ”No início deste ano, Rain, de 46 anos, lançou duas músicas inéditas do Aleka’s Attic, inéditas, Where I Gone e Scales & Fishnails, e ela está planejando mais. “O projeto se uniu com muita graça”, diz ela. “Então eu comecei a fazer minha própria música.”

Ela fez tanta música que se transformou em seu primeiro álbum solo. Hoje, no 26º aniversário da morte de River, é uma meditação sombria e romântica sobre a perda que se pergunta se aqueles que morrem se foram ou vivem para sempre através de nós. “Sua luz, eu a mantenho viva”, ela canta na melhor música do álbum, “Immolate”, que ela lançou no aniversário de River: 23 de agosto. As letras de outra, “Lost in Motion”, foram em grande parte escritas por ele. Ela chamou o álbum simplesmente de “River”. “Enquanto eu escrevia a música, ele continuou me lembrando e de repente me ocorreu que eu não poderia lançar um álbum solo sem ele, por isso chamei de River”.

Os amigos de River também contribuíram: Gus Van Sant, que o dirigiu em “Garotos de Programa” (My Own Private Idaho) e Rain em “Até as Vaqueiras Ficam Tristes” (Even Cowgirls Get the Blues), gravou o vídeo de “Immolate”. Keener e seu filho dirigiram “Lost in Motion” e Michael Stipe faz dueto com Rain em “Time Is a Killer”. Ela chama Stipe de “um irmão mais velho para mim. Costumo enviar minhas músicas para ele para obter sua opinião. Sua generosidade e forte estrutura ética – eles realmente refletem o jeito que River era.” Ela fala com carinho de Flea do Chili Peppers também e falou com Keanu Reeves recentemente. Ao manter os amigos de seu irmão próximos, Rain encontrou uma maneira de manter sua luz viva.

A família Phoenix sempre teve muito cuidado em manter sua privacidade, raramente conversando com jornalistas sobre River. Este álbum e o lançamento das músicas do Aleka’s Attic não significam que ela agora tem o fardo de responder a perguntas sobre seu irmão de jornalistas como eu? “Não é um fardo”, diz ela. “Comemorando River agora, é uma alegria.”

Mas por que demorou um quarto de século para chegar a esse ponto? Ou, em outras palavras, por que agora? Ela está falando por telefone de Los Angeles e há um silêncio no final da linha. Depois de 30 segundos, pergunto se ela ainda está lá. “Ah, sim, só estou pensando no que quero dizer”, diz ela, num tom que sugere que ela não é de se apressar. “Estou muito agradecida pela minha autopreservação no momento da morte dele. Respeito como o processei e acredito que o sofrimento, por ser seu próprio animal selvagem, não escolhe uma quantidade finita de tempo para processá-lo. É algo que continuará ao longo da minha vida. Mas agora sou capaz de articular o que meu irmão River era para mim de uma maneira que lhe faz justiça.”

Ela é muito cuidadosa com o que articula, porém, e assídua em manter seus limites. Perguntas específicas sobre sua infância são respondidas com um breve: “Eu não vejo o que isso tem a ver com o álbum.” Quando pergunto sobre o pai dela, que morreu recentemente, ela interrompe, dizendo que respeitará seu desejo de privacidade por toda a vida e não fala sobre isso. As perguntas sobre como sua família lidou após a morte de River são recebidas com pouca atenção: “Não vou responder por eles.” Ela não parece rude; em vez disso, há uma atitude agradável e sem sentido para ela que é ao mesmo tempo charmosamente ingênua e impressionantemente segura de si. Quando pergunto se ela tem filhos, Rain simplesmente diz: “Sou uma tia muito dedicada, mas sinto que fui colocada nesta Terra por outras coisas que não a maternidade”.

Com olhos profundos e cores escuras, Rain parece surpreendentemente com seu irmão mais novo, Joaquin, em oposição ao louro e angelical de River. Mas como os dois mais velhos dos cinco irmãos, ela e River estavam em muitos aspectos mais próximos um do outro. Assim que ela diz isso, ela acrescenta: “Estávamos todos perto. Houve muitas risadas em nosso grupo. Risos. É nisso que penso quando penso em nós quando crianças.”

As crianças de Phoenix tiveram uma infância notoriamente não convencional. Seus pais, John e Heart, juntaram-se ao culto dos Filhos de Deus, que acreditavam em sexo sem limites. A família viajou pela América do Sul espalhando a palavra do culto, e Rain e River cantavam nas esquinas para ganhar dinheiro. “Gostei!”, Diz ela. “Foi assim que ensaiamos nossas músicas”.

Eventualmente, a família deixou o culto e voltou para os EUA, e Rain, como River, trabalhou como atriz quando jovem. O que quer que tenha sido dito sobre seu passado heterodoxo, a família permanece extremamente próxima: todos os irmãos e sua mãe foram ao pequeno concerto que ela deu recentemente para lançar seu álbum, com Joaquin, recém chegado da estréia de “Coringa”, aplaudindo-a da platéia. Cantar as músicas de River na frente de sua família foi, ela diz, “maravilhoso”.

River se tornou extraordinariamente famoso, extraordinariamente jovem, mas o negócio do entretenimento, com seu interesse no comércio e não na criatividade, estava completamente em desacordo com o mundo de espírito livre em que ele cresceu. “Há uma parte de River que eu carrego em mim, essa extrema rebeldia da esquerda do centro, pensando fora da caixa, fazendo o que for necessário para deixar sua alma falar.” Quando a mídia esbravejou sobre a Aleka’s Attic nos anos 90, Rain estava ciente do “cocô”, mas diz que River foi “sem desculpas, e essa tem sido a luz que guia a minha carreira”.

Além de seu talento e beleza, River era famoso por aproveitar qualquer oportunidade para discutir o vegetarianismo e o meio ambiente com repórteres de entretenimento, muitas vezes confusos. Não é difícil traçar uma linha da evangelização que ele fez quando criança em nome de seus pais e do culto, e do ativismo que ele assumiu quando adulto. No ano passado, entrevistei Samantha Mathis, a namorada de River na época de sua morte, que também estava com ele quando ele morreu. Ela me disse que, embora River adorasse o trabalho e as oportunidades de falar sobre suas crenças, ele odiava as “besteiras da indústria” e seu relacionamento com o sucesso era complicado.

Rain concorda. “Isso é verdade – mas ele tinha senso de humor. Ele não era um idiota sobre isso! A ex-publicitária dele, que agora é a publicitária de Joaquin, me ligou rindo outro dia para me dizer que ela acabara de se lembrar de como, quando ela ligava para River para lhe dizer o que a imprensa estava dizendo sobre ele e ele dizia ‘Você está terminando!’ e ele desligava”, ela diz com uma risada.

Então foi assim que ela aprendeu a manter limites e a se proteger? “Sim e não. Eu acho que parte disso vem com a idade. Quando ouço uma pergunta, penso: ‘O que quero passar por aqui?’ E sim, River era assim. Cada um de nós tem uma semente de verdade gentil, e eu prefiro inspirar os outros do que alimentar o sensacionalismo e a fama. Há todo tipo de coisa que daria ótimas manchetes, mas esse não é o River e não sou eu. Eu só quero criar um sulco do nosso verdadeiro ser, como River teria feito. Ele sempre foi a luz guia para mim neste avião, e ele ainda é agora.”

O álbum de Rain Phoenix, “River”, está disponível hoje em todas as plataformas.

Artigo original: The Guardian.

Filme “Viagem ao Mundo dos Sonhos” pode virar série de TV

Cary Fukunaga e David Lowery estão se unindo para escrever um roteiro piloto para a Paramount Television baseado no filme “Viagem ao Mundo dos Sonhos” dirigido por Joe Dante em 1985, o filme de ficção científica de maior sucesso estrelado por Ethan Hawke e River Phoenix. Fukunaga e Lowery escreverão o roteiro e um deles dirigirá o piloto, caso chegue a isso.

O filme conta a história sobre um garoto obcecado por filmes de ficção científica dos anos 50 que tem um sonho recorrente sobre um projeto. Ele desenha para seu amigo inventor e com a ajuda de um terceiro amigo, eles acabam construindo uma nave espacial. Essa será a base para a série.

Fonte: Deadline.

25 anos sem River Phoenix!

Hoje completam 25 anos da morte de River Phoenix. Sua irmã, Rain Phoenix, fez no instagram uma linda homenagem a River, como costuma fazer todos os anos. Confira:

No 25º aniversário da sua morte, em comemoração à vida do meu irmão River, queria compartilhar este vídeo especial para a sua canção “In The Corner Dunce”, escrita e gravada quando ele tinha 18 anos. As filmagens são da nossa turnê em 1991, das quais metade dos shows eram concertos em benefício das causas que ele apoiava. River e eu começamos a cantar juntos quando ele tinha 5 anos e eu tinha 3 anos. Ele era meu tudo criativo. Sinto-me tão feliz pelo tempo que passamos juntos e ele ainda está presente em tudo o que faço. River foi um campeão dos marginalizados e incompreendido. Ele era um defensor da esquerda da expressão central. Ele viveu e respirou música. Para River, honestidade e autenticidade não eram negociáveis, elas eram sua estrela do norte e isso refletia na integridade de seu trabalho. É por isso que eu sinto que é importante que o Aleka’s Attic seja o primeiro post no LaunchLeft. É minha esperança que este espaço possa se tornar um porto seguro para os artistas de esquerda do centro para quem, como River, a criatividade radical não é uma escolha, mas uma necessidade. Feliz dia das bruxas xxx Rain

Samantha Mathis fala sobre a morte de River Phoenix

A uma semana do 25º aniversário da morte do ator River Phoenix, aos 23 anos e no auge do sucesso, sua namorada e também atriz, Samantha Mathis falou pela primeira vez ao jornal inglês The Guardian sobre a última noite com River Phoenix.

Mathis contou à repórter que esperava estar no clube apenas para deixar os irmãos de Phoenix. “Mas, quando chegamos, ele me disse: ‘Oh, há algumas pessoas tocando música hoje à noite no clube que querem que eu toque com elas – tudo bem, certo ?'”, relembrou. “Eu sabia que algo estava errado naquela noite, algo que eu não entendia. Eu não vi ninguém usando drogas, mas ele estava ‘alto’ de uma maneira que me fez sentir desconfortável”, continuou a atriz, que conheceu Phoenix quando ambos tinham 19 anos, e contracenou com o namorado em “The Thing Called Love” (“um sonho, dois amores”), daquele mesmo ano.

A atriz sabia que Phoenix queria ficar no clube, e achou que não demoraria muito – afinal, algumas de suas coisas estavam no porta-malas do carro dela. Mas, “quarenta e cinco minutos depois, ele estava morto”, relembrou, em lágrimas.

“Eu sabia que ele estava chapado naquela noite, mas a heroína que o matou ele não usou antes de chegar ao Viper Room”, continuou a namorada, que em dado momento viu o que imaginou ser Phoenix em uma briga com outro homem, e os dois sendo empurrados para fora da porta lateral do clube por um segurança. Quando ela foi para a rua depois deles, viu o ator cair no chão e entrar em convulsões na calçada.

Mathis narrou ter tentado desesperadamente voltar ao clube para buscar ajuda, mas a porta lateral estava fechada. Então ela correu para a porta principal, procurou por Rain e Joaquin, que ligou para o 911 (emergência) pedindo ajuda em um telefonema que quase imediatamente vazaria para os jornais: “Ele está tendo convulsões! Venha aqui por favor, por favor, porque ele está morrendo, por favor”, soluçou o garoto de 19 anos na época. Phoenix já estava imóvel quando os paramédicos chegaram, e foi declarado morto no hospital. Ele morrera de uma overdose de cocaína e heroína. Em seu corpo foram encontradas quantidades oito vezes superiores à dose letal das duas drogas, assim como efedrina e valium.

Samantha Mathis conversou com a repórter por telefone, de seu apartamento, em Nova York. A atriz disse ainda que nunca havia falado sobre a noite da morte do namorado com tanta profundidade antes. “‘Exceto para o meu terapeuta’, disse, com uma risada triste. Em parte porque ficou tão traumatizada com a morte dele que bloqueou muitas memórias. Mas ela viu recentemente, pela primeira vez desde que Phoenix morreu, ‘The Thing Called Love’, o último filme em que atuaram juntos, o que a fez pensar em coisas que não tinha pensado em décadas. Então, quando recebeu uma mensagem minha dizendo que queria falar com ela, pareceu-lhe que o universo queria que ela falasse sobre ele”, escreveu a jornalista do The Guardian.

Fonte.

Filme sobre Han Solo tem homenagem a River Phoenix

As informações são do site Sapo Mag.

Após passar pelas salas de cinema sem causar o mesmo entusiasmo nos fãs que outros filmes da saga, “Han Solo: Uma História de Star Wars” foi lançado em formato digital nos EUA na sexta-feira.

Para assinalar a data, Jon Kasdan, que escreveu o filme sobre a juventude do contrabandista mais famoso da “galáxia muito distante” com o pai Lawrence Kasdan, compartilhou 52 curiosidades sobre o filme nas redes sociais.

A mais comovente e inesperada será a homenagem escondida ao ator River Phoenix, falecido em 1993, aos 23 anos.

“O Han a tirar uma enguia das suas calças era uma referência ao River Phoenix, que trabalhou com Lawrence Kasdan em ‘Te Amarei Até Te Matar’ [I Love You to Death – 1990] e que foi o primeiro na assustadora missão de interpretar uma versão mais jovem de um personagem icônico de Harrison Ford”, explica a curiosidade seis da lista.

Jon Kasdan se refere ao fato de River Phoenix ter interpretado no início de “Indiana Jones e a Última Cruzada” (1989) o famoso arqueólogo na adolescência, numa cena em que tirava uma cobra das calças.