Os críticos de cinema da edição oficial do New York Times nomearam os 25 melhores atores do século 21, atualmente.

Como observam os autores da lista dos melhores atores do século XXI, publicada no New York Times, “estamos vivendo em uma época de ouro da atuação”. A lista de 25 atores se baseia nas duas primeiras décadas.

Joaquin Phoenix aparece na lista na 12ª posição, com um belo texto feito pelo diretor James Gray:

Por JAMES GRAY
Joaquin Phoenix apareceu em quatro dos filmes do diretor James Gray, começando com “Caminho Sem Volta” (The Yards) em 2000 e incluindo “Os Donos da Noite” (We Own the Night) de 2007, “Amantes” (Two Lovers) de 2009 e “Era Uma Vez em Nova York” (The Immigrant) de 2014. Pedimos a Gray para explicar como o ator expandiu – e melhorou – em sua própria visão.

Quando eu vi “Um Sonho Sem Limites” (To Die For), disse, “Aquele ator” (eu nem sabia seu nome ainda) “é incrivelmente bom em transmitir sua vida interna sem diálogo”. Isso é uma coisa muito importante no cinema, porque a câmera revela tudo. Aqui estava um ator que tinha tanta coisa acontecendo e você poderia dizer. Eu pensei: “Esse é um ator muito interessante. Eu adoraria conhecê-lo. ” E eu conheci.

Estávamos na mesma sintonia, instantaneamente. Gostávamos das mesmas coisas. Nós pensamos sobre as coisas da mesma maneira. E eu gostei dele imediatamente. Ele tinha essa dimensionalidade para ele. O primeiro filme que fizemos juntos [“Caminho Sem Volta”], tenho certeza que o irritei muito. Eu tenho uma maneira muito direta. Às vezes isso é bom e às vezes não é tão bom. Estou melhor nisso agora. Digamos apenas que eu nem sempre estava disposto a dizer: “Sim, isso é interessante, mas vamos tentar isso.” Eu gostava mais de dizer: “Joaq, o que você está fazendo? Isso é péssimo, tente de outro jeito.” E eu sei que o iria frustrar porque seu talento era muito vasto.

Ele tem uma capacidade ilimitada de surpreendê-lo das melhores maneiras e inspirá-lo a se mover em uma direção que você não pensou originalmente, melhor do que o que você tem em mente, e expande a ideia. Ele é extremamente criativo. Ele está sempre pensando e, na verdade, ficou mais ainda ao longo dos anos. Eu nunca disse: “Quero minha visão na tela”. Eu quero algo melhor do que isso. Você deseja estabelecer os parâmetros do que tem em mente e, então, cercar-se de pessoas que tornarão tudo mais bonito. Não diferente, necessariamente, mas mais intenso, mais vívido.

Ele tem uma capacidade ilimitada de surpreendê-lo das melhores maneiras.

Você quer que o ator o surpreenda, de uma maneira que pareça consistente com o personagem, mas também muito interessante. Joaquin foi absolutamente fantástico nisso. Isso é inspirador. Você não sabe o que esperar no melhor sentido. Joaquin Phoenix é uma das melhores coisas que já me aconteceram. Se eu tenho algum arrependimento, é que ele não está em todos os filmes que fiz. – Entrevista por Candice Frederick.

Confira a lista completa aqui.