Joaquin Phoenix adquire direitos de filmagem do livro ‘Free the Animals’!


27 de abril de 2022 | Publicado por Aline

Via THR:

O vencedor do Oscar e vegano de longa data Joaquin Phoenix poderá em breve levar seu ativismo animal para a tela grande.

O ator adquiriu os direitos de filme de “Free the Animals”, livro de 1992 da fundadora e presidente da PETA, Ingrid Newkirk, sobre o grupo militante Animal Liberation Front. Phoenix também escreveu o prefácio da edição em brochura do 30º aniversário, que será lançada em 5 de maio.

O título completo é “Free the Animals: The Amazing, True Story of the Animal Liberation Front in North America”. A história segue Valerie, uma jovem policial cujo mundo vira de cabeça para baixo quando ela fica cara a cara com um grupo de macacos retirados de um laboratório de testes em animais. Ao longo do caminho, ela encontra pessoas que estão dispostas a arriscar a liberdade pela causa, e ela se junta a eles para viver fugindo da lei que ela jurou defender.

A capa do livro de Ingrid Newkirk, “Free the Animals: The Amazing, True Story of the Animal Liberation Front in North America”. CORTESIA DA PETA.

Em uma tentativa de inspirar a próxima geração de ativistas, Phoenix escreve: “Sim, Free the Animals é sobre os heróis que usam balaclava que quebram janelas e leis para salvar animais, mas também é sobre todos. É um chamado para todos nós agirmos. Seja empunhando pés-de-cabra e alicates ou pegando uma caneta ou uma placa de protesto, cada um de nós pode e deve lutar contra a injustiça e pressionar pela libertação dos animais sempre que temos chance.”

O prefácio de Phoenix adiciona mais contexto a uma parada de alto nível que ele fez durante sua temporada de premiações por sua atuação vencedora do Oscar em “Coringa”. Depois de receber um prêmio do Screen Actors Guild, Phoenix, ainda de smoking, acompanhou ativistas do LA Animal Save para uma vigília do lado de fora de um matadouro em Vernon, Califórnia. “Oferecemos um gole de água, palavras de conforto e uma mão suave aos porcos nos caminhões de transporte que paravam antes de passar pelos portões”, escreve. “É de partir o coração olhar nos olhos desses indivíduos e imaginar o que eles devem estar sentindo, perceber que provavelmente estávamos oferecendo a eles a única gentileza que eles já conheceram e que, em alguns momentos, suas vidas chegariam a um fim violento.”

Phoenix continua abordando uma pergunta que ele fez sobre por que ele participa de tais vigílias e por que não compra produtos de origem animal. A resposta é simples, ele escreve: “Já vi a tortura e a matança que ocorrem quando alguém toma – rouba – o que por direito pertence a outro ser vivo. Tira o que é deles de suas costas ou os mata para que partes de seu corpo possam ser comidas ou vestidas. Eu vi o horror e o medo em que os animais de laboratório vivem simplesmente porque eles não são protegidos da curiosidade humana e há dinheiro em engaiolá-los para testar coisas, ou como eles reagirão quando assustados por uma cobra de borracha ou quando seus bebês forem arrastados para longe deles. Sabendo de tudo isso, tenho a obrigação moral de agir. E eu sei que foi assim que os heróis deste livro, Free the Animals, também se sentiram.”

O site THR entrou em contato com a autora, Newkirk, por sua resposta à Phoenix adquirir os direitos do longa-metragem, e ela disse que recebeu “interesse considerável” de duas outras estrelas. Mas ela escolheu Phoenix na esperança de que ele não apenas dirigisse o filme, mas também o estrelasse. Newkirk até se concentrou no papel que ele poderia desempenhar.

“Estou convencida de que ele ganharia outro Oscar por interpretar Josh, o denunciante da Marinha que arriscou uma corte marcial para obter ajuda para um cachorrinho prestes a morrer em um experimento de mergulho em alto mar e que depois passou a liderar a Costa Oeste. Equipes da Frente de Libertação Animal que libertaram muitos outros animais que enfrentaram morte certa”, diz ela. “Joaquin entende o que os animais passam e vive e respira os direitos dos animais – é parte de seu próprio ser. Também tenho a palavra dele de que ele nunca permitiria o uso de animais reais, que muitas vezes passam a vida em gaiolas e são enviados para os sets de Hollywood para realizar o que para eles são atos estressantes, sem sentido e repetitivos. Em vez disso, ele usaria imagens geradas por computador ou animais domésticos que vivem como companheiros – e, claro, ele teria acesso aos cofres de fotos e vídeos da PETA, que contêm imagens das invasões descritas no livro.”

Share via
Copy link
Powered by Social Snap